Home Biden Reverter negativa de residência para imigrantes dependentes de benefícios públicos é impor aos contribuintes o financiamento de um Estado de bem-estar global – Opinião
Biden - Editorial - Política - 02/23/2022

Reverter negativa de residência para imigrantes dependentes de benefícios públicos é impor aos contribuintes o financiamento de um Estado de bem-estar global – Opinião

Nada poderia ter sido mais personagem para um país cuja cultura política inteira tem sido baseada há muito tempo nas ideias de direitos individuais e responsabilidade pessoal.

JCEDITORES (JUNOT) – Por mais de um século até 1999, aqueles que buscavam entrar nos Estados Unidos entenderam que uma coisa que não tinham permissão para serem na américa era uma “carga aos cofres públicos pública” (Carga Pública). Mas o governo Biden não está apenas tentando acabar com o conceito, ele também está tentando garantir que qualquer outro sucessor presidencial tenha grandes dificuldade em restabelecer regras para não permitir que aqueles que dependem da assistência governamental se tornem residentes permanentes.

Isso está acontecendo ao mesmo tempo em que Biden está supervisionando um abandono efetivo da segurança nas fronteiras e a aplicação das leis de imigração, ações que desencadearam uma onda recorde de imigrantes que perigosamente avançam sobre a fronteira dos Estados Unidos.

Ao mesmo tempo, os democratas ainda estão gerando mais esperança entre aqueles que estão em lugares distantes do planeta, pessoas que não estão preparados para passar pelo processo legal para entrar legalmente nos Estados Unidos que eles são elegíveis aos benefícios sociais caso passem pela fronteira e que isso não será problema para obter cidadania. Isso é um convite aberto para que os Estados Unidos se tornem um estado de bem-estar internacional às custas dos contribuintes americanos.

As regras sobre a proibição da entrada daqueles que poderiam se tornar carga pública foram implementadas pela primeira vez como resultado de uma legislação do Congresso em 1882, e desde então foi reafirmada muitas vezes. Mesmo na era da imigração em massa para os Estados Unidos no final do século XIX e início do século XX, havia um amplo consenso em favor das leis que diziam que aqueles que vieram ao país tinham que prometer não se tornar dependentes do Estado, e/ou demonstrar um patrocinador financeiro que garantiria o sustento de um imigrante.

Nada poderia ter sido mais personagem para um país cuja cultura política inteira tem sido baseada há muito tempo nas ideias de direitos individuais e responsabilidade pessoal. Os novos americanos, assim como aqueles cujas famílias estavam aqui há séculos, entenderam que esta era uma terra de oportunidades onde todos tinham a chance de melhorar-se por força de sua própria habilidade e engenhosidade. A noção de que um grande número de recém-chegados poderia ser permitido viver dos esforços dos outros foi considerada por muito tempo uma ideia absurda e economicamente tola.

Tudo isso saiu pela janela em 1999, quando as regras de cobrança pública foram alteradas pelo governo Clinton.

Na época, o Serviço de Imigração e Naturalização (INS) limitou as circunstâncias em que uma pessoa que solicitasse o status de residência permanente poderia ser considerada como uma carga pública. O INS isentou todos aqueles que receberam o que chamou de “benefícios não monetários”, como o Medicaid, vale-alimentação, benefícios de moradia, subsídios para cuidados infantis e auxílios a mulheres, bebês e crianças dependentes — todos os quais, embora às vezes necessários para os necessitados, constituem os elementos básicos do estado de bem-estar social. O regulamento do INS de 1999 equivalia a uma revogação administrativa de fato, sem o benefício de uma votação no Congresso.

O governo Trump inverteu o curso em 2019, desencadeando criticas em pérola dos socialistas que denunciaram o restabelecimento da lei centenária como sendo uma tentativa racista para impedir que pessoas de cor ganhassem status legal.

Implementadas pouco antes do início da pandemia em 2020, as regras para aqueles que buscam status de residência permanente nos Estados Unidos e proibindo-as de se tornarem carga pública simplesmente trouxe o sistema de volta ao que havia sido há mais de um século. Os tribunais e o ativismo jurídico ligados ao partido democrata entraram em ação e depois que Biden assumiu o cargo, seu governo rescindiu a mudança de regra.

Ainda assim, os defensores das fronteiras abertas afirmam que é imperativo que o governo tranquilize tanto os estrangeiros ilegais quanto aqueles que esperam por green cards que não precisam temer tirar benefícios do governo de qualquer tipo. A regra Trump colocou um susto genuíno naqueles que buscam green cards, o que os levou a evitar vários tipos de programas governamentais onde recebiam benefícios. É por isso que Biden está agora passando pelo processo mais complicado e demorado de fazer da mudança uma parte permanente do Registro Federal. Isso tornará mais fácil para os grupos de defesa da imigração lutar contra uma futura administração republicana nos tribunais se, como é provável, tal futura administração republicana restabelecer a mudança de regras de Trump.

Assim como o revés contra Trump em 2019, o debate sobre a questão dos imigrantes se tornarem cargas pública está agora sendo retratado na grande mídia como um sobre raça. O ex-conselheiro sênior da Casa Branca Stephen Miller, que pressionou pela mudança, foi amplamente retratado como um xenófobo e odioso porque acreditava que a imigração legal deveria ser baseada em mérito, não o resultado de loterias ou migração em massa.

Mas, como mostrou uma pesquisa de Harvard-Harris em 2018, quase três quartos dos americanos concordaram com Miller sobre a imigração baseada em mérito, com os hispânicos concordando com quase a mesma porcentagem. Os americanos também preferem esmagadoramente uma fronteira segura — algo que eles chegaram mais perto de alcançar sob Trump, e que agora é um sonho à medida que a onda de travessias ilegais na fronteira continua no segundo ano de Biden no cargo.

As ofertas de anistia dos democratas e as criticas contra os oficiais da Patrulha de Fronteira, muitas vezes feitas de forma injusta Biden já criaram uma nova realidade que equivale a uma fronteira aberta. Além disso, Biden está agora fazendo uma política permanente em que aqueles que aspiram a status legal ou cidadania não devem considerar ser obrigatória prover seu próprio sustento, basta serem financiados por aqueles que já estão aqui e ao fazê-lo, Biden está criando um incentivo ainda maior para aqueles que querem vir para a América para apenas se beneficiar de sua extraordinária grandeza, daquilo que já esta feito, em vez de trabalhar para melhorar a si mesmos e a sociedade que os acolheram.

Isso é uma traição não só da responsabilidade do governo com seus cidadãos e do Estado de Direito, mas também do próprio Sonho Americano ao qual gerações de imigrantes aspiraram.

As opiniões expressas neste artigo não refletem as opiniões do JSNEWS.

Deixe um comentário

Leia também

O condenado à morte nos EUA que ganhou na Justiça direito de ser fuzilado

BBC BRASIL – A Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu na quinta-feira (23/6) que u…