Home Local Centro do Trabalhador Brasileiro entrega arrecadação de campanha para mãe brasileira
Local - 08/31/2018

Centro do Trabalhador Brasileiro entrega arrecadação de campanha para mãe brasileira

Natalícia Tracy e equipe do CTB entregam cheque da campanha

O Centro do Trabalhador Brasileiro entregou na quinta-feira, 30, um cheque no valor de US$ 10,629,00, referente à arrecadação para ajudar a mãe brasileira W.R, que fi – cou presa com seu fi lho de nove anos na imigração em Baytown, no Texas. Esse foi o valor total arrecadado, mas descontadas as taxas do PayPal Giving Fund, ela recebeu US$ 9,742.56. Em julho, o CTB ajudou na liberação dela e da criança, por meio do Lawyer’s Committee for Civil Rights and Economic Justice e WilmerHale, advogados parceiros da entidade. Na ocasião foi lançada uma campanha no Gofund.me para arrecadar fundos.

A maioria das doações foram privadas e vieram de americanos. Para a diretora executiva do Centro do Trabalhador, Natalícia Tracy, é uma satisfação para a entidade estar na posição de ajudar membros da comunidade, principalmente pessoas como essa mãe que chegou nos EUA tendo seus direitos humanos violados.

“Como diretora e como mãe foi fácil entender o que se passou e por isso passamos a ajudar nesta causa”, disse. Segundo Natalícia, a intenção é continuar a apoiar W.R., e seu fi lho na adaptação e no processo imigratório. “Estamos também muito gratos pela parceria com Lawyer’s Committee”, ressaltou. Após receber o valor da campanha, W.R afirmou estar muito agradecida por todo o apoio, tanto dos profissionais do Centro do Trabalhador quanto das pessoas que fi zeram doações.

“Só tenho a dizer muito obrigada e que Deus abençoe a todos que ajudaram e que os dê em dobro”, disse. Ela conta que ainda está se adaptando após ter passado 44 dias num abrigo do governo separada do fi lho. W. já o matriculou numa escola e agora aguarda também para que a criança tenha atendimento de um psicólogo. Ela diz que vai usar o dinheiro da campanha para as despesas com o fi lho e para custear as necessidades de sobrevivência. W.R., é de Cuparaque, MG, e veio para os Estados Unidos pela fronteira do México, quando foi presa pela Imigração.

Ela alega que estava sofrendo violência e perseguição do marido no Brasil e viajou em busca de mais segurança e oportunidades. Sem falar inglês e separada do fi lho, W. pediu ajuda para um irmão que mora na região de Boston. Foi ele quem entrou em contato com o Centro do Trabalhador, que imediatamente iniciou o acompanhamento do caso. Natalicia Tracy fez contato com escritórios de advogados e conseguiu o apoio de Ivan Espinoza-Madrigal, diretor executivo do Lawyer’s Committee, em parceria com WilmerHale.

Desde então, o caso virou uma verdadeira batalha jurídica. Segundo o advogado, o governo federal usou vários obstáculos burocráticos para separar mãe e fi lho. A mulher nem sequer tinha o número de identificação da criança, o que dificultava ainda mais a reaproximação, mesmo ela tendo ganhado liberdade antes que o menino.

“Eles argumentavam que a separação foi necessária e feita com base no interesse público da aplicação das leis”, disse Madrigal. Depois de sair do abrigo ela continuou lutando para ter o fi lho de volta e após 44 dias conseguiu reencontrar a criança. “O sufoco passou e agora, com o apoio dos advogados, estamos juntando documentações para aplicar pelo nosso processo”, conta W.

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Leia também

Secretário de Justiça diz que não há evidências de fraudes em eleições presidenciais

O secretário de Justiça William Barr, desmentiu o presidente Donald Trump, na terça-feira,…