Home Economia Como funciona a economia de Belarus, a última planificada da Europa
Economia - Internacional - Novo Normal - Política - 4 semanas atrás

Como funciona a economia de Belarus, a última planificada da Europa

Sob o rígido controle do presidente Alexander Lukashenko, que governa o país há 26 anos - e que venceu as eleições novamente em 9 de agosto, gerando uma onda de protestos, Belarus implementou um híbrido entre uma economia estatal e um mercado livre completamente aberto.

BBC – Na capital de Belarus, Minsk, os laços estreitos com seu vizinho mais poderoso, a Rússia, podem ser observados na arquitetura e nos edifícios stalinistas.

Mas esse não é o único vestígio da época em que o país estava sob a esfera de influência da hoje extinta União Soviética (URSS): sua economia permanece planificada, a última na Europa.

Sob o rígido controle do presidente Alexander Lukashenko, que governa o país há 26 anos – e que venceu as eleições novamente em 9 de agosto, gerando uma onda de protestos, Belarus implementou um híbrido entre uma economia estatal e um mercado livre completamente aberto.

A oposição e até a União Europeia descreveram o processo eleitoral como “fraudulento“. Esse sistema de “socialismo de mercado” significa, na prática, que setores como o industrial e o agrícola são quase totalmente controlados pelo Estado.

No conjunto, as empresas estatais respondem por cerca de 50% do Produto Interno Bruto (PIB, ou a soma de riquezas de um país).

O país iniciou esse caminho após o colapso da URSS, em 1991. Naquela época, todas as ex-repúblicas soviéticas enfrentavam uma profunda crise econômica.

A essa altura, Belarus ainda arrastava as consequências da 2ª Guerra Mundial, que destruiu praticamente toda a sua infraestrutura, e da catástrofe da central nuclear de Chernobyl, na Ucrânia, em 1986, que deixou um quarto do território do país contaminado por radiação.

Estado de bem estar social
O país enfrentou o período pós-soviético com a introdução de controles administrativos sobre os preços e a taxa de câmbio.

Além disso, subsídios e outros benefícios estatais se espalharam por toda a economia transformando Belarus em um Estado de bem estar social na Europa Oriental.

Por exemplo, a porcentagem de pessoas que viviam abaixo da linha da pobreza caiu em 18 anos de 41,9% para 5,6% em 2018, segundo dados do Banco Mundial.

  • É uma das taxas mais baixas da Europa.
  • Saúde e educação são públicas e gratuitas.

Nos últimos anos, a despesa pública com pensões ultrapassou 9% do PIB, valor próximo da despesa média da União Europeia (11,3% do PIB).

Em 2019, o país ocupou a 50ª posição entre 189 países no Índice de Desenvolvimento Humano. Para efeitos de comparação, o Brasil ficou em 79º lugar.

No entanto, vários organismos internacionais lembram que a produtividade do arcaico setor estatal é baixa e o salário médio gira em torno de 500 euros (R$ 3,5 mil) por mês.

  • Aqueles que visitam suas cidades dizem que elas são limpas e organizadas.
  • A taxa de desemprego entre seus 10 milhões de habitantes é baixa.

E, no entanto, o crescimento econômico dos últimos anos foi descrito como “anêmico“, em torno de 1,5%, com o agravante de que dois riscos o rondam.

O primeiro, o fim dos subsídios russos à energia.

O segundo é a instabilidade política que “durará enquanto Lukashenko estiver no poder“, assinala Andrei Kazakevich, diretor do Instituto de Estudos Políticos “Political Sphere“, especializado em Belarus.

Belarus é visto pela comunidade internacional como um país sem liberdades, no qual o presidente tenta controlar todos os poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário.

Em suas mãos também já está grande parte dos meios de produção do Estado.

Deixe um comentário

Leia também

Policia investiga possível incêndio criminoso que destruiu cédulas eleitorais em Boston

BPD Investigating Ballot Box Fire in the area of 700 Boylston Street in Boston. https://t.…