Home Imigração Menores desacompanhados e famílias foram os mais deportados em 2019
Imigração - 12/13/2019

Menores desacompanhados e famílias foram os mais deportados em 2019

As deportações de imigrantes aumentaram ligeiramente este ano em comparação ao ano passado, com crescimento significativo no número estrangeiros removidos dos Estados Unidos. Em um relatório divulgado quarta-feira, 11, o U.S. Immigration and Customs Enforcement (ICE) afirmou que deportou mais de 267.000 imigrantes sem documentos no ano fiscal de 2019 (que terminou em 30 de setembro) – um aumento de 4% em relação ao ano fiscal de 2018. A maioria dos deportados foi do México, Honduras, Guatemala e El Salvador. Todos os países da América Central enfrentam extrema pobreza e algumas das mais altas taxas de homicídios do mundo.

O ICE deportou mais de 5.700 imigrantes sem documentos que vieram para os Estados Unidos como unidades familiares – um aumento de 110% nas deportações de membros da família em comparação com o ano anterior. A agência também deportou mais de 6.000 menores não acompanhados, um aumento de 14% em relação a 2018. As deportações ainda representam uma fração dos mais de 540.000 membros familiares e crianças desacompanhadas que cruzaram a fronteira no ano passado, a maioria dos quais foi libertada nos Estados Unidos, segundo o The Washington Post.

Agentes do ICE prenderam cerca de 143.000 imigrantes indocumentados no interior do país, onde a agência opera principalmente, uma queda de quase 10% em relação a 2018. Enquanto mais de 86% dos presos pelo ICE tinham condenações criminais ou acusações pendentes, segundo a agência, a grande maioria delas era por crimes relacionados a drogas ou direção. No início desta semana no Congresso, os legisladores democratas introduziram uma legislação abrangente com o objetivo de revisar o sistema de imigração, que incluía a descriminalização das passagens de fronteira.

Também incluiu leis de reforma que, em geral, fazem do contato com o sistema de justiça criminal uma ameaça ao status dos imigrantes nos Estados Unidos – incluindo o fi m dos procedimentos de deportação automática para pessoas condenadas por certos crimes. Em um comunicado à imprensa na quarta-feira, o diretor interino do ICE, Matthew Albence, lamentou o menor número de prisões, culpando o “aumento sem precedentes” de migrantes que cruzaram a fronteira para os Estados Unidos este ano.

Ele disse que a agência tinha que “redirecionar recursos” e transferir cerca de 350 policiais para a fronteira. Houve um aumento de 68% de migrantes detidos na fronteira EUA-México este ano em comparação com o último, segundo dados do PFC – e quase 65% eram famílias e crianças desacompanhadas. Os migrantes presos na fronteira “geralmente não têm histórico criminal conhecido”, segundo o relatório do ICE. O presidente Donald Trump e a liderança do ICE criticaram repetidamente as chamadas “cidades-santuário” que limitam a cooperação da polícia local com os esforços federais de deportação.

No verão passado, Trump disse em um tweet que as operações planejadas do ICE removeriam “milhões” de imigrantes indocumentados dos Estados Unidos. Em resposta, muitos prefeitos locais disseram que suas cidades não cooperariam e grupos de defesa alertaram os membros da comunidade potencialmente afetados. Enquanto a operação subsequente do ICE visava mais de 2.000 famílias, segundo o The Washington Post, apenas 18 pessoas foram presas.

Este ano, o ICE também manteve um número recorde de imigrantes em detenção, com uma população média diária de mais de 50.000 detidos e, às vezes, mais de 56.000 detidos, segundo o relatório do ICE – representando um aumento de 19% em relação a 2018. As pessoas foram detidas por uma média de 34 dias. Os relatórios observam condições insalubres e inseguras para migrantes detidos em instalações do ICE.

Um relatório de grupos de direitos humanos em 2018, por exemplo, identificou mais de uma dúzia de mortes de imigrantes que estavam sob custódia do ICE nos últimos anos. O relatório disse que cuidados “abaixo do padrão” foram dados aos migrantes em quase todos os casos, e o tratamento médico “inadequado” “provavelmente” contribuiu ou levou à morte dos detidos em mais da metade deles.

Deixe um comentário

Leia também

Prefeitura de NY pinta slogan ‘Black Lives Matter’ em frente à Trump Tower

A cidade de New York pintou o slogan ‘Black Lives Matter’ em letras gigantes na quinta-fei…