Home Imigração Governo Biden enfrenta forte pressão enquanto define novo rumo para a politica migratória
Imigração - 02/15/2021

Governo Biden enfrenta forte pressão enquanto define novo rumo para a politica migratória

JSNEWS (TIJUANA MÉXICO) – Depois de uma viagem de ônibus de uma semana saindo de Honduras, Osorio Medina chegou ao norte do México com a esperança de que o presidente Joe Biden tornasse mais fácil para pessoas como ela entrar nos Estados Unidos.

Parece que o novo presidente quer ajudar os migrantes”, disse Osorio enquanto se preparava para fazer o check-in em um hotel barato no centro de Tijuana antes de ir para os Estados Unidos. “Estão dizendo que ele vai ajudar, mas não sei com certeza o quanto é verdade ou não. ”

Osorio de 63 anos está entre as milhares de pessoas que vieram para a fronteira EUA-México com a esperança de poder pedir asilo e entrar nos Estados Unidos agora que o ex-presidente Donald Trump não está mais no cargo.

Embora Biden tenha dado alguns passos importantes em suas primeiras semanas no cargo para reverter as políticas de imigração linha-dura de Trump, seu governo ainda não levantou algumas das barreiras mais significativas para os requerentes de asilo.

Na verdade, está desencorajando as pessoas a virem para os Estados Unidos na esperança de evitar o que aconteceu tanto no governo de Trump quando caravanas de centro americanos exerciam pressão na fronteira sul.

Agora não é a hora de vir”, disse o secretário de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, em uma entrevista recente, “e a grande maioria das pessoas será rejeitada”.

O secretário de Estado, Antony Blinken, adotou um tom semelhante em 6 de fevereiro ao anunciar medidas para encerrar os acordos da era Trump com Honduras, El Salvador e Guatemala, que exigiam que muitos requerentes de asilo buscassem refúgio por onde passassem antes de virem pedir asilo nos EUA

Para ser claro, essas ações não significam que a fronteira dos EUA esteja aberta”, disse Blinken. “Embora estejamos comprometidos em expandir os caminhos legais para proteção e oportunidades aqui e na região, os Estados Unidos são um país com fronteiras e leis que devem ser cumpridas”.

Mas essa mensagem não chegou a todos.

Mais e mais pessoas estão chegando a um acampamento em Matamoros, no México, uma cidade perigosa ao sul da fronteira com o Texas, onde centenas de requerentes de asilo estão esperando sob o programa “Permanecer no México” de Trump.

É possível que ainda mais venham depois que o governo Biden anunciou na sexta-feira que lentamente permitiria que cerca de 25.000 pessoas entrassem nos Estados Unidos à medida que seus casos fossem analisados. A primeira onda é esperada em 19 de fevereiro.

Walter Valenzuela, um hondurenho de 37 anos, disse que esperava há meses em Tijuana, do outro lado da fronteira com San Diego, por uma chance de pedir asilo ou arriscar uma travessia ilegal.

Durante anos, os requerentes de asilo que alcançaram o limite inicial de demonstrar um “medo crível” de perseguição em sua terra natal geralmente podiam ficar nos Estados Unidos até que um juiz de imigração decidisse se eles se qualificavam para a residência permanente, o que pode levar anos.

Funcionários do governo Trump acreditavam que muitos pedidos de asilo eram fraudulentos ou careciam de mérito, apresentados por pessoas que simplesmente queriam permanecer nos EUA.

O governo Biden assinou várias ordens executivas sobre a imigração, incluindo permitir a entrada de mais refugiados e estabelecer uma força-tarefa para encontrar os pais de cerca de 600 crianças que foram separadas por Trump e ainda não foram reunidas.

Mas não acabou com uma ordem de saúde pública emitida por Trump no início da pandemia do coronavírus, que permite que a Alfândega e a Proteção de Fronteiras dos EUA expulsem imediatamente quase todos, incluindo requerentes de asilo.

Psaki disse que o governo ainda está trabalhando para desenvolver um “processo humano e abrangente” para avaliar as pessoas que vêm para os EUA

Os processos de asilo na fronteira não ocorrerão imediatamente”, disse ela. “Vai levar tempo para implementar.”

Alan Bersin, que ocupou cargos importantes lidando com segurança de fronteira durante os governos Clinton e Obama, advertiu que Biden está se encaminhando para uma crise se liberar todos os requerentes de asilo nos Estados Unidos. Isso seria um convite à fraude e ao abuso, disse ele.

Há um sentimento tão urgente na comunidade de defensores de direitos humanos que está controlando toda a agenda de imigração de Biden – eles querem reverter todas as ações de Trump”, disse ele.

Enquanto isso, a pressão está aumentando.

O número de pessoas apreendidas na fronteira aumentou desde janeiro, embora esteja abaixo de alguns períodos anteriores. As autoridades dizem que muitos estão sendo pegos e devolvidos várias vezes.

O asilo não é a única questão de imigração que cria obstáculos para a administração de Biden.

O Texas e o Arizona entraram com ações judiciais para impedir a moratória de deportação de 100 dias de Biden. Oficiais de Imigração e Alfândega estão reclamando de regras propostas para se concentrar na detenção e remoção ilegal de pessoas no país que representam ameaças à segurança nacional ou foram condenadas por crimes mais graves.

Jon Feere, um conselheiro sênior do ICE sob Trump, disse que tais movimentos que levam a abertura das fronteiras são parte de um padrão maior do qual o governo Biden poderá se arrepender. “Quando você envia a mensagem de que não leva a sério a fiscalização da imigração, não pode ficar surpreso ao ver um influxo maciço de pessoas a sua frente e que você precisará administrar”, disse ele.

Raul Ortiz, subchefe da Patrulha de Fronteira, disse na semana passada que, como elemento de ligação com a equipe de transição de Biden, considerou que a equipe está “muito atenta” aos problemas. Alguns tiveram experiências com o aumento de requerentes de asilo sob Obama. “Não se tratava de águas desconhecidas”, disse Ortiz em entrevista produzida pela Patrulha de Fronteira. “Não é como se estivéssemos começando do zero.”

O debate mais amplo se perdeu para Osorio, que veio para Tijuana porque ouviu que Biden quer ajudar pessoas como ele. Ele diz que pretendia pedir asilo com base nos perigos que enfrentou como ativista ambientalista que protestava contra a extração ilegal de madeira em Honduras.

Mas porque ele não pode pedir asilo na passagem oficial da fronteira em San Diego, outros imigrantes lhe contaram sobre um lugar que ele poderia tentar cruzar ilegalmente. Ele disse que se encontrasse a Patrulha de Fronteira, pediria asilo para ver o que vai acontecer.

Eles já nos disseram mais ou menos como fazer”, disse Osorio. “Nós vamos dar uma olhada.”

Deixe um comentário

Leia também

Seis dias após mal súbito no gramado, Eriksen tem alta médica na Dinamarca

ESTADO – O meia dinamarquês Christian Eriksen recebeu alta do hospital Rigshospitale…