Home Biden Tempo de crise: Biden enfrenta problemas críticos nas próximas 2 semanas
Biden - EUA - Local - Política - 10/18/2021

Tempo de crise: Biden enfrenta problemas críticos nas próximas 2 semanas

JSNEWS – As duas próximas semanas serão cruciais para o governo Biden que corre contra o tempo para concluir controversas negociações no Congresso para mostrar as realizações de seu governo tanto para seus eleitores quanto no cenário global.

Biden e seus colegas democratas estão tentando superar as divisões intrapartidárias até o final desse mês para aprovar o projeto de infraestrutura e o pacote de investimento sociais. O presidente espera acertar ambos antes da Cúpula do Clima que que será realizada de 31 de outubro a 12 de Novembro 31 de outubro a 12 de novembro na Escócia para discutir novos compromissos para mitigar as mudanças climáticas.

Mas meta para aprovar ambos os pacotes ainda esse mês esta sendo ameaçada por fraturas entre os democratas e  colocando em risco o destino de prometidos novos esforços abrangentes para lidar com a mudança climática. Há também uma ansiedade crescente dentro do partido em relação a uma disputa governamental por termômetro na Virgínia e as lutas iminentes no Senado sobre o limite da dívida federal e o financiamento do governo que poderia impedir que a agenda do presidente chegasse à linha de chegada.

Biden está tentando estabilizar a sua presidência após um período difícil marcado pelo fim tumultuado da guerra do Afeganistão, uma briga diplomática com França, um aliado de longa data e um aumento nos casos de COVID-19 que abalaram a recuperação econômica do país e despencaram suas pesquisas.

Sua equipe deu continuidade à estratégia, que serviu bem no início de seu governo, de ignorar a situação da politica externa e permanecer focado nos problemas internos, desta vez para passar o pacote de duas partes que dará aos democratas uma plataforma sobre que será disputado nas eleições de meio de mandato do próximo ano.

No entanto, por trás dos apelos da Casa Branca por paciência está um sentimento borbulhante de urgência de que um acordo precisa ser fechado rapidamente.

Para a Casa Branca, existem as datas-alvo explícitas, incluindo um prazo de fim de mês para o financiamento do transporte e a próxima viagem de Biden ao exterior. Mas também existem imperativos mais abstratos: provar que os democratas podem cumprir suas promessas aos eleitores e proteger o decadente capital político de Biden.

Com nova urgência, o governo enviou sinais ao Capitólio nos últimos dias que é hora de encerrar as negociações, que um acordo precisa ser alcançado. O próprio Biden expressou impaciência e aumentará seu alcance pessoal nesta semana para pressionar os legisladores a encontrar um meio-termo e levar os projetos a votação, disseram as autoridades.

As autoridades do ‘West Wing’ ainda estão otimistas de que um acordo será finalmente alcançado, mas também há temores de que a negociação complicada e demorada tenha prejudicado os benefícios tangíveis do que Biden pretende oferecer aos eleitores.

Biden procurou abordar parte desse problema quando viajou para Hartford, Connecticut, na semana passada para mostrar iniciativas para reduzir drasticamente o custo dos gastos públicos na primeira infância.

Mesmo os líderes democratas estão divididos sobre a melhor maneira de reduzir o preço geral do pacote para ganhar mais votos. Biden disse na sexta-feira que prefere incluir todas as propostas da lista de desejos, mas reduzindo a duração dos programas para cortar custos. Seu pensamento é que um futuro Congresso pode votar mais tarde para estender programas que o povo americano achará populares.

Mas, dias antes, a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, sugeriu o caminho oposto – aprovar um conjunto mais restrito de programas para durar mais tempo.

Alguns democratas têm pressionado pela aprovação do acordo bipartidário de infraestrutura até 31 de outubro, mesmo que o pacote maior de serviços sociais não seja fechado, uma medida que muitos progressistas reprovam porque podem perder força com o último projeto.

O destino das disposições sobre mudança climática é particularmente perigoso.

As objeções do senador da Virgínia Ocidental Joe Manchin a um programa que visa acelerar a transição do país para longe dos combustíveis fósseis ameaça o cerne dos planos de Biden para combater a mudança climática pouco antes de ele tentar afirmar a liderança americana sobre o assunto na próxima conferência global na Escócia.

As margens mínimas dos democratas em ambas as casas do Congresso deram poder a legisladores individuais como Manchin e o senador Kyrsten Sinema pelo Arizona, irritando colegas legisladores e a Casa Branca. Os assessores da Casa Branca não abandonaram o programa de energia limpa, mas estão explorando meios alternativos para criar uma combinação de políticas para reduzir as emissões, disseram as autoridades.

Abandonar as disposições pode ferir Biden em Glasgow, em uma cúpula que o governo ofereceu como uma oportunidade vital não apenas para combater a mudança climática, mas para reafirmar a liderança dos EUA na questão após quatro anos de contenção sob o presidente Donald Trump. Os Estados Unidos trarão uma grande pegada para o encontro – incluindo o ex-presidente Barack Obama – mas corre o risco de ficar para trás nas nações europeias que tomaram medidas mais concretas para reduzir as emissões.

A parada de Biden na Escócia no início de novembro seguirá sua participação em uma cúpula de líderes mundiais em Roma. Mas a decisão do presidente chinês Xi Jinping de pular as reuniões – atrasando o primeiro encontro entre os líderes das duas superpotências – pode diminuir sua relevância. Ainda assim, Biden deve se encontrar na Itália com o presidente francês Emmanuel Macron, enquanto os homens buscam consertar as relações depois que um acordo de submarino dos Estados Unidos com a Austrália anulou um contrato com a França e levou os franceses a retirarem brevemente seu embaixador de Washington

Também se aproximando a eleição para governador de 2 de novembro na Virgínia, que é considerada um referendo sobre as chances de Biden e os democratas de exercitar o controle do Congresso no ano que vem.

Terry McAuliffe, que já foi governador do estado, está em uma disputa mais acirrada do que o esperado com o empresário republicano Glenn Youngkin, em um estado em que Biden venceu por 10 pontos no ano passado.

McAuliffe foi surpreendentemente público em suas críticas à estratégia legislativa do governo, instando os democratas a aprovar o projeto de infraestrutura antes do dia das eleições para dar a ele algo para mostrar aos eleitores. Funcionários da Casa Branca esperam que McAuliffe saia com uma vitória por pouco e acreditam que podem ignorar as preocupações sobre uma margem de vitória menor do que o esperado.

Mas um resultado apertado, ou uma vitória de Youngkin, pode deixar os democratas inseguros quanto às fraquezas políticas de Biden – potencialmente tornando-os menos propensos a receber votos arriscados para sua agenda – e anima os republicanos rumo ao meio de mandato.

Deixe um comentário

Leia também

Black Friday nos EUA tem menos pessoas e promoções

REUTERS – Os caçadores de pechinchas aventuraram-se em um clima frio para comprar pr…