Home Biden O peso da teoria crítica da raça em nossas crianças | Opinião
Biden - Cultura - EUA - 11/01/2021

O peso da teoria crítica da raça em nossas crianças | Opinião

Quando esquecemos que somos uma raça - a raça humana - começamos a nos segregar e a criar divisão em nossa nação. Essa divisão tem um efeito cascata em todos os aspectos da sociedade. Talvez o mais preocupante seja o efeito que tem na educação

Por Alveda King –
Nosso país foi fundado como uma nação sob Deus, e nossos filhos costumavam ser lembrados disso todos os dias. Costumava ser uma prática que, quando o sino da escola tocasse, as crianças se levantassem, ficassem de frente para a bandeira americana, colocasse a mão direita sobre o coração e fizesse o juramento de lealdade. Todos os dias eles falavam as palavrasuma nação, sob Deus“. O simbolismo era claro; todos nós estivemos unidos em nosso amor à pátria e ao compromisso com a igualdade.

Para onde foi essa unidade?

Na canção eterna, “Georgia on my Mind“, o grande Ray Charles cantou, “no peace I find” em seu estado natal durante o movimento pelos direitos civis. Na verdade, a Geórgia estava no centro do movimento, e foi uma época conturbada. Mesmo assim, perseveramos e vencemos – as escolas foram desagregadas e nossas liberdades civis foram consagradas na Lei dos Direitos Civis de 1964.

Para onde foi essa vitória?

Tanto a unidade quanto a vitória foram minadas pela teoria crítica da raça (CRT). Essa nova abordagem da raça divide ativamente nossos filhos todos os dias, levando-os a acreditar que a cor de sua pele tem mais importância do que o conteúdo de seu caráter. Este é precisamente o tipo de ideal contra o qual os líderes do movimento pelos direitos civis lutaram, mas aqui está ele de novo, bem aqui na Geórgia.

Depois que o Conselho de Educação do Estado da Geórgia aprovou uma resolução banindo o CRT das salas de aula em todo o estado, o Conselho Escolar de Atlanta publicou uma resposta defendendo o CRT, dizendo que “não mudaremos nosso foco” em “promover a equidade e a justiça social em nossas escolas”.

E se desprezar a autoridade governante não fosse suficiente, a Mary Lin Elementary School, com sede em Atlanta, supostamente separava os alunos com base na etnia. Uma mãe de um aluno da segunda série processou o distrito. “Pelo que sabemos, (o diretor) designou essas classes negras sem o conhecimento ou consentimento das famílias dos alunos negros afetados”, disse sua queixa legal. “Em vez disso, ela decidiu unilateralmente o que era do melhor interesse dos alunos negros, relegando-os apenas às aulas que considerou apropriadas.”

Esse incidente perturbador fornece um vislumbre do verdadeiro objetivo da teoria crítica da raça: ressegregar nossa sociedade pela cor da pele, levando-nos de volta ao ponto de partida.

As escolas públicas de Atlanta chegam a fornecer recursos aos professores, instruindo-os a realizar uma “auditoria do patrimonial dos alunos da sala de aula” e a criar “ambientes centrados no materialismo”. Os professores foram aconselhados a “fazer links que mostrem como as raízes históricas da injustiça impactam as experiências vividas e as condições materiais das pessoas hoje”.

Aparentemente, a melhor maneira de ajudar as comunidades carentes de Atlanta a incentiva-las a terem sucesso é dizer às crianças que elas são oprimidas, em vez de encorajá-las com o conhecimento de que têm a capacidade de fazer grandes coisas.

Meu tio, Dr. Martin Luther King Jr., não reconheceria essa versão regressiva do movimento pelos direitos civis. Nem sua vida e liderança significariam nada para os teóricos raciais críticos de hoje. Ele pregou uma visão do mundo que se concentrava no caráter, não na cor da pele. Para os teóricos raciais críticos de hoje, meu tio era irremediavelmente ingênuo. Eles rejeitam a visão pela qual o movimento pelos direitos civis lutou e não vão parar até que nossas instituições sejam demolidas e refeitas.

Felizmente, milhares de assentos no conselho escolar serão eleitos em novembro. Só em Atlanta, nove lugares estão ocupados.

Os conselhos escolares da Geórgia e o Conselho de Educação do Estado da Geórgia desempenham um papel crucial na seleção de currículos e na aprovação de textos usados ​​por salas de aula e professores em todo o estado. Esse poder ajuda a decidir que tipo de material está sendo usado para ensinar os alunos. Em uma idade em que as crianças são mais suscetíveis à influência, esse poder detém a capacidade de moldar as crenças da próxima geração.

É por isso que é importante que todos os que se preocupam com nossos filhos aprendam mais sobre seus próprios conselhos escolares locais, descubra o que esta ocorrendo nas escolas e em seus currículos. Teremos unidade de novo ou permitiremos que nossas escolas evoluam ainda mais para a divisão? Você pode decidir essa direção aprendendo e, em seguida, votando.

* Alveda King é Conselheira Sênior no America First Policy Institute e ministra do Evangelho de Jesus Cristo, servindo como Associada Pastoral para os Direitos Civis dos Não Nascidos, Sacerdotes pela Vida.

As opiniões expressas neste artigo são do próprio escritor.

Deixe um comentário

Leia também

Primeiros imigrantes são enviados de volta ao México na retomada do esquema “Fique no México” da era Trump

JSNEWS (Com Reuters e APNEWS) – Dois imigrantes foram devolvidos ao México pelas aut…