Home Biden Não cidadãos podem ter direito a voto nas eleições locais na cidade de Nova York
Biden - EUA - Imigração - Local - Novo Normal - Política - 12/07/2021

Não cidadãos podem ter direito a voto nas eleições locais na cidade de Nova York

A lei enfrenta poucos obstáculos. A medida tem amplo apoio na Câmara Municipal, que deve ratificá-la na quinta-feira

JSNEWS Nova York está prestes a se tornar a maior cidade dos Estados Unidos a conceder o direito de voto nas eleições locais a não cidadãos que possuam residência legal.
A cidade tem 7 milhões de pessoas em idade de votar e um projeto de lei que esta prestes a ser aprovado permitiria que cerca de 800.000 imigrantes votassem nas eleições para eleger o prefeito da cidade, vereadores e outras autoridades municipais.

Os imigrantes ainda não poderão votar para presidente dos Estados Unidos ou representantes para cargos federais ou nas eleições estaduais para escolher governador, juízes e legisladores.

A lei enfrenta poucos obstáculos. A medida tem amplo apoio na Câmara Municipal, que deve ratificá-la na quinta-feira. O prefeito, Bill de Blasio, expressou reservas sobre a legalidade do projeto, mas disse que não o vetaria caso seja aprovado.

A lei daria voz eleitoral aos muitos nova-iorquinos que vivem na cidade, mas que não conseguem obter a cidadania facilmente ou preferem conservar a cidadania de seus países de origem por vários motivos.

Abrangeria também os “dreamers”, jovens imigrantes que vieram para os Estados Unidos ainda crianças.

Mais de uma dúzia de comunidades nos Estados Unidos já permitem que imigrantes sem cidadania votem, incluindo 11 cidades em Maryland e duas em Vermont.

Por meio de um referendo ratificado por eleitores em 2016, São Francisco começou a permitir que não cidadãos votassem nas eleições do conselho escolar, algo que também aconteceu na cidade de Nova York até que esses conselhos fossem abolidos em 2002.

A iniciativa na cidade de Nova York, controlada pelos democratas, contrasta com as restrições aplicadas em alguns estados, onde os republicanos fizeram reivindicações sem evidências de fraude generalizada por imigrantes sem cidadania que teriam votado nas eleições federais.

Eleitores no Alabama, Colorado e Flórida ratificaram medidas no ano passado especificando que apenas cidadãos americanos poderiam votar. Assim, eles se juntaram ao Arizona e à Dakota do Norte para adotar regulamentações que impedissem tentativas de aprovação de regulamentações como a que está sendo considerada na cidade de Nova York.

“Acho que há pessoas em nossa sociedade que vão dormir com tanto medo dos imigrantes que tentam argumentar contra seu direito de eleger seus líderes locais”, disse o vereador Ydanis Rodriguez, nascido na República Dominicana. “Trata-se de morarmos em Nova York, contribuirmos para a cidade de Nova York e pagarmos impostos na cidade“, disse Rodriguez, que é democrata.

De Blasio, no entanto, questionou se a medida resistiria a uma contestação legal. A lei federal permite que os governos estaduais e locais decidam quem pode votar em suas eleições. Mas alguns, como o prefeito, levantaram questões sobre se os legisladores deveriam agir primeiro para dar à cidade autoridade para estender o direito de voto a pessoas sem cidadania.

“Obviamente há um argumento: queremos que as pessoas se envolvam, queremos ouvir as vozes das pessoas”, disse De Blasio recentemente no noticiário de televisão “Inside City Hall”.

“Ainda me preocupa. A cidadania tem um valor extraordinário. As pessoas trabalham muito para conseguir isso”, disse ele.

O líder da minoria da Câmara Municipal, Joseph Borelli, um republicano de Staten Island, disse que a medida certamente terminaria em tribunal.

“Isso desvaloriza a cidadania, e a cidadania é o padrão pelo qual a constituição estadual concede ou permite o sufrágio nas eleições do Estado de Nova York em todos os níveis”, disse Borelli.

A proposta permitiria que pessoas que foram residentes permanentes legais da cidade por pelo menos 30 dias e pessoas autorizadas a trabalhar nos Estados Unidos, incluindo alguns dos chamadosdreamers“, ajudassem a eleger o prefeito, vereadores, presidentes de bairro, auditores e defensores públicos.

A lei ordenaria que o Conselho Eleitoral apresentasse um plano de implementação até julho, incluindo regras de registro eleitoral e cláusulas que criariam urnas separadas nas eleições municipais para evitar que imigrantes sem cidadania votassem nas eleições federais e estaduais.

Dar aos imigrantes sem cidadania o direito de votar os capacitaria a se tornar uma força política que não pode ser ignorada, disse Anu Joshi, vice-presidente de política da Coalizão de Imigração de Nova York.

A cidade de Nova York, com mais de 3 milhões de residentes nascidos no exterior, seria uma boa base para um movimento nacional para expandir os direitos de voto dos imigrantes, disse Ron Hayduk, agora professor de política na San Francisco State University. Francisco, mas que passou anos em New York mergulhou no movimento a favor do direito de voto para pessoas sem cidadania. “Nova York, onde fica a Estátua da Liberdade e a Ilha Ellis, tem orgulho de ser o local da imigração”, observou ele. “Então fica a questão de onde fica o lugar dos imigrantes na nossa cidade. Eles são realmente nova-iorquinos, são totalmente nova-iorquinos no sentido de optar e merecer o poder do voto e moldar seu futuro político? ”

A resposta, disse ele, deveria ser um “retumbante sim”.

Deixe um comentário

Leia também

Kamala é questionada sobre legitimidade das eleições de meio de mandato caso Biden não consiga aprovar a reforma eleitoral

JSNEWS – A vice-presidente Kamala Harris repetiu, nessa quinta-feira,20, os comentár…