Home Biden Tribunal suspende ordem de Biden que obriga entidades religiosas a pagarem por procedimentos médicos para mudança de sexo
Biden - Mundo - Política - Religião - 05/17/2022

Tribunal suspende ordem de Biden que obriga entidades religiosas a pagarem por procedimentos médicos para mudança de sexo

Juiz diz que nenhuma agência do governo deve avaliar 'a sinceridade das crenças religiosas de outras pessoas'

JSNEWS – Um tribunal do Distrital Federal bloqueou temporariamente a aplicação de dois mandatos do governo Biden que força entidades religiosos, sem fins lucrativos e com fins lucrativos além de prestadores de cuidados de saúde a pagarem por procedimentos médicos para mudança de sexo e aconselhamento psicológicos a transgênero, mesmo quando essas medidas violem as crenças religiosas dos empregadores ou provedores.

O juiz distrital Daniel M. Traynor, do Tribunal Distrital da Dakota do Norte, decidiu que a Aliança de Empregadores Cristãos “mostrou uma possibilidade de sucesso no mérito” em seu caso.

“Nenhuma agência governamental deveria avaliar a sinceridade das crenças religiosas de outras pessoas”, escreveu Traynor.

“A Orientação HHS (United States Department of Health and Human Services)  encoraja um pai a apresentar uma queixa se um provedor médico se recusar à transição de gênero de seu filho, de qualquer idade, incluindo um bebê”, observou o juiz. “O pensamento de que uma criança recém-nascida poderia ser cirurgicamente alterada para mudar de gênero é o resultado da Notificação Biden HHS e da Orientação HHS que marca a recusa de um profissional médico em fazê-lo como discriminação. De fato, a Orientação do HHS convida especificamente o público a apresentar queixas por agir de uma maneira que a Aliança diz ser consistente com suas crenças religiosas sinceras.”

A Aliança de Empregadores Cristãos representada pelo escritório de advocacia cristão Alliance Defending Freedom, alega que a administração Biden violou seus direitos de livre exercício sob a Lei de Restauração da Liberdade Religiosa (RFRA) e a cláusula de livre exercício da Primeira Emenda, e seus direitos de liberdade de expressão.

A aliança alegou que o United States Department of Health and Human Services (HHS), a Comissão de Igualdade de Oportunidades de Emprego (EEOC), o Escritório de Direitos Civis do HHS e seus agentes interpretaram mal a Seção 1157 da Lei de Proteção ao Paciente e Cuidados Acessíveis (ACA) – também conhecida como ObamaCare – ao enviar orientações interpretando a negação de procedimentos médicos transgêneros e aconselhamento como discriminação com base no sexo.

Os mandatos obrigariam empregadores de entidades religiosas e prestadores de cuidados de saúde a pagar e realizar cirurgias, procedimentos, aconselhamento e tratamentos que buscam alterar o sexo biológico de um paciente, mesmo que tais ações violem as convicções dos empregadores ou provedores.

“Os mandatos do governo são incapacitantes para as inúmeras empresas operadas por entidades religiosas que procuram cuidar de seus funcionários sem medo de serem unidas com multas, custos de litígios pesados, perda de fundos federais e até mesmo sanções criminais”, disse a presidente da Aliança de Empregadores Cristãos, Shannon Royce, em um comunicado sobre a decisão.

“Como administradores da saúde e segurança de nossos funcionários valiosos, é inconcebível e inconstitucional ser obrigado a fornecer, pagar ou promover serviços e procedimentos que contradizem diretamente nossas crenças religiosas profundamente mantidas”, acrescentou Royce. “Estamos satisfeitos por continuarmos a agir de acordo com essas crenças enquanto nosso processo prossegue e esperamos, em última instância, prevalecer com nosso caso.”

“Todos os empregadores e prestadores de cuidados de saúde, incluindo os da Aliança de Empregadores Cristãos, têm o direito constitucional de conduzir seus negócios e tornar o tratamento de forma consistente com suas crenças religiosas profundamente mantidas”, disse o advogado da ADF Jacob Reed, que argumentou perante o tribunal em nome da CEA, em um comunicado na segunda-feira.

“Os empregadores que representamos acreditam que Deus criou propositalmente os humanos como homens ou mulheres, e por isso violaria suas crenças religiosas para pagar ou realizar procedimentos médicos ou cirurgias que buscam mudar o sexo biológico”, acrescentou Reed. “O tribunal estava em terreno firme para impedir a execução desses mandatos ilegais que desrespeitam as pessoas de fé.”

Deixe um comentário

Leia também

Justiça portuguesa autoriza extradição da doleira Nelma Kodama, presa em Portugal por tráfico de drogas

Da redação com G1 – O Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) autorizou a extradição par…