Home EUA Thanksgiving: a origem e as curiosidades de um dos feriados mais populares dos Estados Unidos
EUA - Mundo - 2 semanas atrás

Thanksgiving: a origem e as curiosidades de um dos feriados mais populares dos Estados Unidos

Da Redação – O Dia de Ação de Graças, em inglês “Thanksgiving Day”, é comemorado todos os anos na 4ª quinta-feira de novembro. Apesar de não ser muito popular no Brasil, nos Estados Unidos é feriado, sendo quase tão importante quanto o Natal.

Esse é um dia de agradecimento, em que as famílias se reúnem e recordam com gratidão as coisas boas que aconteceram ao longo do ano. Originalmente, a data era comemorada após a época das colheitas, justamente para agradecer a fartura da produção agrícola.

Curioso notar que este dia, que não está associado a nenhuma religião, se popularizou com o passar dos anos, sendo assim, comemorado por todos, independentemente do credo.

A origem do Dia de Ação de Graças
Em 1621, os colonos de Plymouth, em Massachusetts, e os indígenas celebraram a colheita de outono com um grande jantar – acredita-se que esse foi o primeiro banquete de Thanksgiving da história.

A celebração tinha um motivo bem importante. O inverno anterior havia sido brutal. A maioria dos colonos passou a estação abrigada em um navio e foram expostos a doenças contagiosas. Apenas metade do povo sobreviveu para ver sua primeira primavera em Massachusetts.
Em março, os colonos receberam a surpreendente visita de um indígena, Abenaki, que os cumprimentou em inglês. Dias depois, ele retornou acompanhado de Squanto, um indígena que havia sido sequestrado, escravizado e levado a Londres.

Quando retornou, ele ensinou aos peregrinos, debilitados pela desnutrição e doenças, como cultivar milho, extrair seiva de bordo, pescar nos rios e evitar plantas venenosas.

Ele também ajudou os colonos a formarem uma aliança com os Wampanoag, uma tribo local, que duraria mais de 50 anos e que continua sendo, infelizmente, um dos únicos exemplos de harmonia entre colonos europeus e nativos americanos. Depois de uma colheita bem sucedida, em novembro de 1621, o governador William Bradford organizou um grande banquete de comemoração, que durou três dias.

Embora não existam registros sobre o cardápio exato do banquete, é possível se ter uma ideia. O cronista do peregrino Edward Winslow escreveu:

“Realizada nossa colheita, nosso governador enviou quatro homens à caça de aves, para que, juntos, de maneira especial, pudéssemos nos alegrar, depois de colhermos os frutos de nosso trabalho. Em apenas um dia, os quatro mataram tantas aves que a Companhia se alimentou por quase uma semana. Nesses dias, exercitamos nossas armas, ao lado dos índios e do chefe da sua tribo, Massasoit, que tem cerca de 90 homens. Durante três dias, festejamos, e eles saíram e mataram cinco veados, que trouxeram para a fazenda e entregaram ao nosso governador e ao capitão. E, embora nem sempre seja tão abundante, como foi nesta época conosco, pela bondade de Deus, estamos tão longe da necessidade, que muitas vezes desejamos que vocês participem de nossa abundância.”
Historiadores sugerem que as receitas provavelmente foram preparadas seguindo as tradições dos nativos, com seus temperos e seus métodos. Como, na época, os peregrinos não tinham forno, o banquete não teve tortas, bolos e outras sobremesas – esses pratos só se tornaram tradicionais de Thanksgiving muitos anos depois.

O feriado nacional de Thanksgiving
Em 1623, as colheitas foram ameaçadas por um longo período de seca. Para agradecer os alimentos colhidos, foi feito o segundo banquete de Ação de Graças. A partir de então, a data passou a ser celebrada anualmente na região da Nova Inglaterra.

Mas foi um longo caminho até que Thanksgiving fosse declarado, de fato, um feriado nacional.

Em 1789, George Washington emitiu a primeira proclamação de Ação de Graças pelo governo nacional dos Estados Unidos; nele, incentivou os americanos a expressar sua gratidão pela feliz conclusão da guerra de independência do país e a ratificação bem-sucedida da Constituição dos EUA. Seus sucessores, John Adams e James Madison, também designaram dias de agradecimento durante suas presidências.

Em 1817, muitos estados do norte já declaravam Thanksgiving como feriado oficial. Mas cada estado celebrava em datas diferentes. E os estados sulistas sequer reconheciam o festejo.

Dez anos mais tarde, a editora de revistas e escritora Sarah Josepha Hale, que era muito famosa na época, começou a enviar cartas a presidentes, governadores e prefeitos, pedindo o reconhecimento do Dia de Ação de Graças como um feriado nacional. Ela enviou esses pedidos por 36 anos! Por isso, ganhou o apelido de “Mother of Thanksgiving”, a mãe do Thanksgiving.

Foi só em 1863 que Abraham Lincoln, presidente dos Estados Unidos na época, acatou os pedidos de Sarah. Diante das mortes de soldados durante a Guerra Civil, Lincoln pediu aos americanos que “recomendem ao terno cuidado de Deus todos aqueles que se tornaram viúvas, órfãos, enlutados ou sofredores na lamentável luta civil” e “cure as feridas da nação”.

A data passou a ser comemorada sempre na última quinta-feira do mês de novembro.

Em 1939, o presidente Franklin Roosevelt até tentou adiantar a celebração, para incentivar vendas e ajudar a economia sofrida depois da Grande Depressão. Mas a medida foi altamente criticada e, a partir de 1941, Thanksgiving virou feriado nacional, sempre na 4ª quinta-feira do mês.

Tradições e costumes de Thanksgiving
Atualmente, o Dia de Ação de Graças perdeu muito de seu significado de origem. As famílias e amigos americanos costumam se reunir para partilhar uma bela refeição.

Não há certeza se o peru, o símbolo mais clássico de Ação de Graças, foi servido no primeiro banquete dos peregrinos. Nos dias de hoje, porém, cerca de 90% dos americanos consomem peru assado no feriado. Outras receitas clássicas são purê de batata, molho de cranberry e torta de abóbora.

Fazer trabalho voluntário também é uma atividade bem comum durante o feriado de Thanksgiving, e as comunidades e bairros costumam servir refeições beneficentes aos mais necessitados.

As paradas, com enormes balões, também se tornaram clássicas. A tradição teve início em 1924, impulsionada pela loja Macy’s, em Nova York. Até hoje, a parada da cidade é a mais famosa e reúne cerca de 3 milhões de pessoas nas ruas, além de uma enorme audiência na televisão.

Com o tempo, também surgiu uma tradição bem curiosa: dois perus são “poupados” de serem assados e são enviados a uma fazenda. Isso começou em meados do século XX, com o “perdão” sendo consentido aos perus pelo presidente, e, até hoje, alguns governadores também fazem esse ritual.

As escolas de idioma, sim, costumam celebrar Thanksgiving como forma de ensinar aos alunos sobre essa tradição.

Mais curiosidades de Thanksgiving
Nos Estados Unidos, cerca de 50 milhões de perus são consumidos no Dia de Ação de Graças, também conhecido como “Turkey Day” (Dia do Peru).

No Canadá, Thanksgiving foi celebrado pela primeira vez em 1879. A data atual (sempre na 2ª segunda-feira de outubro) foi definida em 1957.

Como o Canadá está mais ao norte do que os Estados Unidos, as colheitas são feitas antes por lá. Por isso, o Dia de Ação de Graças também é celebrado antes, em outubro.

Thanksgiving leva muitos turistas aos Estados Unidos, além de pessoas que viajam para passar a data com as famílias. É um dos dias do ano com maior tráfego aéreo no país.

Deixe um comentário

Leia também

Primeiros imigrantes são enviados de volta ao México na retomada do esquema “Fique no México” da era Trump

JSNEWS (Com Reuters e APNEWS) – Dois imigrantes foram devolvidos ao México pelas aut…