Home Brasil Soldado voluntário brasileiro morre em combate na Ucrânia, dizem companheiros de armas
Brasil - Massacre - Mundo - 3 semanas atrás

Soldado voluntário brasileiro morre em combate na Ucrânia, dizem companheiros de armas

Hack Bahi, de 43 anos, é, até onde se sabe, o primeiro soldado brasileiro a perder a vida em combate durante a guerra.

Da Redação (Com G1 e Rede Tv)- O soldado voluntário brasileiro André Hack Bahi, que lutava ao lado das forças da Ucrânia desde o final de fevereiro, morreu vítima de ataques russos, disseram outros três combatentes em mídias sociais.

Parentes de Hack Bahi disseram à reportagem que a família foi avisada de sua morte por outros militares brasileiros, mas que ainda não recebeu notificações oficiais nem das Forças Armadas da Ucrânia nem do Itamaraty. Procuradas, as autoridades brasileiras e ucranianas ainda não se manifestaram.

Hack Bahi, de 43 anos, é, até onde se sabe, o primeiro soldado brasileiro a perder a vida em combate durante a guerra.

Nascido em Porto Alegre e criado em Eldorado do Sul, no Rio Grande do Sul, ele chegou à Ucrânia no final de fevereiro pela fronteira com a Polônia, tendo ido até lá pagando a passagem do próprio bolso a partir de Portugal, onde morava.

Por já ter experiência de combate, além de ter servido e trabalhado como segurança privado no Brasil, ele já tinha feito parte da Legião Estrangeira da França, rapidamente passou a integrar as Forças Especiais do Exército ucraniano, ao lado de outros dois brasileiros, Leanderson Paulino e André Kirvaitis.

Kirvaitis foi um dos primeiros a publicar sobre sua morte. No sábado, publicou em sua conta no Instagram uma mensagem pedindo algum contato da família de Hack Bahi. Horas depois, publicou outra mensagem de despedida do colega de armas.

Alex Silva, instrutor de tiro brasileiro que durante a pandemia participou de protestos a favor de um golpe de Estado no Brasil, e também está servindo nas forças ucranianas, também informou a morte em seu canal no Telegram. Segundo Silva, o corpo pode ser translado para o Brasil. Não há outras informação a esse respeito.

Um soldado peruano que se identifica como Wiman, que postou vídeos ao lado de Hack Bahi na Ucrânia, também postou uma mensagem de despedida. “Descanse irmão legionário André Hack”, escreveu numa rede social, junto a um vídeo.

Não se sabe onde Hack Bahi estava na Ucrânia atualmente. No início da guerra, ele atuou perto de Kiev. Em entrevista ao jornal Zero Hora, disse que atuou em missões perto da capital, participando da destruição de blindados russos.

Formado em Enfermagem, Hack Bahi tinha três filhos que moram no Brasil: Álexyà, de dois anos; Manuelle, de oito; e Leonardo, de 14 anos.

Nas redes sociais, ele postava vídeos posando com armamentos pesados, assim como os outros dois brasileiros das Forças Especiais. Todos os três demonstram ter fascínio há muitos anos com temas militares, e publicam mensagens relacionadas à glória do combate e a luta pela liberdade.

Dos três, acredita-se que só Kirvaitis ainda esteja em ação na Ucrânia, Segundo Kirvaitis, Leanderson Paulino deixou o país, supostamente por problemas familiares.

Na entrevista ao Zero Hora, Hack Bahi disse que ele e outros voluntários, que supostamente não são pagos, não foram “para matar, e, sim, para tentar trazer a paz”.

“Não somos nós que estamos bombardeando e mantando civis, crianças”, afirmou. “Carrego meus filhos comigo, [em fotos] no colete. Mas não me arrependo em nenhum momento e vou até o fim para ajudar o povo ucraniano, nem que isso custe minha vida”.

Deixe um comentário

Leia também

Bolsonaro diz a TV americana que EUA podem virar país isolado se esquerda vencer no Brasil

ESTADÃO – O presidente Jair Bolsonaro afirmou em entrevista à emissora de televisão …