Home Celebridades Situação da comunidade LGTBQ+ da Ucrânia é de incertezas diante da ocupação russa
Celebridades - Massacre - Mundo - Novo Normal - 03/04/2022

Situação da comunidade LGTBQ+ da Ucrânia é de incertezas diante da ocupação russa

O embaixador dos EUA nas Nações Unidas alertou no mês passado que "pessoas LGBTQI+ estão incluídas em listas criadas pelas forças russas de ucranianos "para serem mortas ou enviadas para campos após uma ocupação militar".

JSNEWS * – Zi Faámelu quer escapar da guerra na Ucrânia, mas sua identidade não vai deixá-la sai do país.
A cantora de 31 anos, que é transgenero, tem um passaporte que diz que ela é um homem, o sexo atribuído a ela ao nascer, a Ucrânia proibiu homens abaixo dos 60 ano de deixarem o país.

Esse paradoxo deixou Faámelu reclusa em seu apartamento em Kyiv e considera seguir outras mulheres transexuais que cruzaram ilegalmente fronteira em direção a Polônia desde que a Rússia invadiu a Ucraína.

“Já estávamos lutando por nossas vidas”, disse ela. “E agora estamos realmente na guerra.”

Faámelu sabe que sob uma ocupação russa, a vida pode se deteriorar rapidamente para pessoas LGBTQ como ela.

“É uma situação muito sombria para as pessoas trans na Ucrânia“, disse Faámelu. “Mas na Rússia, é ainda pior.”

Nas últimas duas décadas, o presidente russo Vladimir Putin tem travado uma guerra total à comunidade LGBTQ, enquadrando-a como parte de uma campanha para proteger a “cultura tradicional” da Rússia do que ele descreve como um ataque aos valores modernos promovidos pelo Ocidente.

Putin chamou a fluidez de gênero de “crime contra a humanidade”, e equiparou a homossexualidade à pedofilia.

Uma lei de “propaganda gay” aprovada na Rússia em 2013 tornou ilegal promover os direitos dos homossexuais e tem sido usada para prender ativistas e fechar grupos de apoio LGBTQ. E durante uma série de expurgos anti-gays na República Chechena de maioria muçulmana da Rússia, em que funcionários sequestraram, torturaram e, em alguns casos, mataram homens suspeitos de fazer sexo com outros homens, o Kremlin fez vista grossa.

Ao mesmo tempo, a vida das pessoas LGBTQ na Ucrânia vem melhorando lentamente.

Agora, com dezenas de milhares de tropas russas cercando as  grandes cidades ucranianas, gays, lésbicas e transgêneros estão preocupados com o que uma ocupação russa pode significar para eles. O embaixador dos EUA nas Nações Unidas alertou no mês passado que “pessoas LGBTQI+ estão incluídas em listas criadas pelas forças russas de ucranianos “para serem mortas ou enviadas para campos após uma ocupação militar”.

“Nada disso é bom para as pessoas LGBT na Ucrânia”, disse Graeme Reid, diretor do programa de direitos LGBTQ da Human Rights Watch. Putin, disse ele, há muito usa “o espectro dos direitos LGBT como uma questão de cunho política” para apelar aos conservadores no país e no exterior.

Como Putin fez dos gays os bichos-papão para todos os males da Rússia, Disse Reid, ele também alimentou “um aumento demonstrativo da discriminação e da violência”.

As altas apostas da guerra levaram alguns ucranianos LGBTQ a tentar fugir, enquanto outros permaneceram e se juntaram à resistência.

“Se estivéssemos sob o domínio russo, teríamos que calar a boca, não seríamos capazes de nos vestir como queremos, nunca teríamos orgulho gay”, disse Yura Dvizhon, 29, uma conhecida artista ucraniana. “Eu não quero viver essa vida. É por isso que eu tenho que lutar”.

Depois que a Rússia invadiu em 24 de fevereiro, Dvizhon e seus amigos deixaram Kiev para o oeste da Ucrânia, onde estão realizando campanhas nas redes sociais para pressionar celebridades russas a se manifestarem contra a guerra e destacando os ucranianos LGBTQ — como uma drag queen popular — que estão servindo na linha de frente da guerra.

A Ucrânia nunca foi uma utopia para gays e transgêneros

O casamento entre pessoas do mesmo sexo é ilegal na Ucrânia, as pessoas LGBTQ não são protegidas por leis anti-discriminação, e a influente Igreja Ortodoxa Cristã vê a homossexualidade como um pecado. Um proeminente líder da igreja chamou a pandemia COVID-19 de “puniçãopela expansão do casamento entre pessoas do mesmo sexo em todo o mundo.

Dvizhon, o co-fundador de um grupo sem fins lucrativos que defende os direitos LGBTQ, ainda tem medo de segurar a mão do namorado em público. Mas ele diz que as coisas estão melhorando lentamente.

A parada anual do orgulho gay do ano passado em Kiev atraiu 7.000 pessoas — uma vitória, mesmo que a polícia fosse chamada para se defender dos manifestantes anti-gays. Pesquisas de opinião mostram que os ucranianos se tornaram mais aceitos pelos direitos dos homossexuais na última década.

Significativamente, a comunidade LGBTQ começou a receber sinais tácitos de apoio do governo aliado europeu da Ucrânia.

Em 2019, o presidente Volodymyr Zelensky rebateu um heckler homofóbico que interrompeu seu discurso. “Todos nós vivemos juntos em uma sociedade aberta onde cada um pode escolher a língua que quer falar, sua etnia e orientação [sexual]”, disse Zelensky. “Deixe essas pessoas em sua busca, pelo amor de Deus!”

Embora ainda existam leis concretas – um projeto de lei anti-discriminação entre eles – que a comunidade LGBTQ do país está esperando, todos sabem que a situação dos gays na Rússia é “muito, muito, muito pior”, disse Natsya Kosach, uma DJ lésbica em Kyiv.

Embora muitas mulheres ucranianas tenham fugido para a Polônia, parte de um êxodo de 1 milhão de pessoas apenas na última semana, Kosach decidiu ficar.

Ela tem se escondido de bombas em um bar subterrâneo onde costumava se apresentar, dormindo em turnos no palco e cozinhando para soldados e famílias que se abrigaram no metrô da cidade.

A guerra, disse ela, tinha reunido os ucranianos como nunca antes, e começou a parecer que divisões passadas – incluindo disputas sobre gênero e sexualidade – realmente não importam.

“Acho que essa situação vai unir todo mundo mais do que nunca”, disse ela. “Conheço gays que estão na Defesa Territorial [força de reserva militar da Ucrânia] e ninguém está dizendo nada a eles.”

Faámelu estava menos otimista de que a unidade de guerra da Ucrânia tinha apagado a discriminação.

O cantor transexual está ficando sem comida, mas tem medo de sair para se reabastecer de suprimentos, não apenas por causa da ameaça dos russos, mas também porque muitos ucranianos estão recém-armados.

“Este é um lugar homofóbico e transfóbico”, disse ela. “Nós não estamos protegidos.”

Ela sabe que sob a Rússia, a vida provavelmente seria ainda mais assustadora. Seus pais são da Crimeia, um território ucraniano anexado pela Rússia em 2014 e para ela a região tornou-se mais homofóbica desde então.

Ela acredita que a discriminação anti-gay e trans tem suas raízes na Igreja Ortodoxa, mas também na União Soviética, que se rompeu em 1991.

Na sociedade soviética, a conformidade era valorizada. “Se você fosse diferente, você era ridicularizado”, disse ela. “A expressão era vista como um não-não.”

*  Com informações Los Angeles Times

Deixe um comentário

Leia também

Elon Musk desafia acusadora abuso sexual para descrever como são suas partes íntimas

JSNEWS – Elon Musk disse que a mulher que o acusou de má conduta sexual de ser uma &…