Home Brasil ‘Seja gentil com o presidente do nosso país’, disse o governador de São Paulo, João Doria ao prefeito de Nova York
Brasil - EUA - Internacional - Mundo - 05/16/2019

‘Seja gentil com o presidente do nosso país’, disse o governador de São Paulo, João Doria ao prefeito de Nova York

Da próxima vez, Bill de Blasio, seja gentil com o presidente do nosso país. Seja gentil com todos os brasileiros que visitam a sua cidade, sejam quem forem. Seja como todos os nova-iorquinos que recebem milhões de visitantes todos os anos, de todas as raças, crenças e pensamentos — afirmou Doria, falando em inglês, para que de Blasio entendesse bem o que ele estava falando.

ESTADO – Na ausência do presidente Jair Bolsonaro, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), foi o principal destaque na premiação realizada na Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos na noite desta quarta-feira. Em seu discurso, Doria deu um recado ao prefeito Bill de Blasio, a quem acusou de faltar com a gentileza ao povo brasileiro.

— Da próxima vez, Bill de Blasio, seja gentil com o presidente do nosso país. Seja gentil com todos os brasileiros que visitam a sua cidade, sejam quem forem. Seja como todos os nova-iorquinos que recebem milhões de visitantes todos os anos, de todas as raças, crenças e pensamentos — afirmou Doria, falando em inglês, para que de Blasio “entendesse bem o que ele estava falando”.

Doria postou o vídeo, legendado, em sua conta no Twitter. Ele foi muito aplaudido pelo público presente. O governador de São Paulo também destacou que falava na condição de ex-prefeito da “terceira maior capital do mundo” e “sobretudo, como brasileiro”. Segundo Doria, ao voltar-se contra Bolsonaro, de Blasio contrariou a tradição americana de respeito à liberdade e à pluralidade e de compromisso com os direitos humanos:

— [Os Estados Unidos são] um país que aprendi a admirar pelo seu respeito à liberdade, pela sua pluralidade e pelo respeito aos direitos humanos — disse Doria. — Apesar de você Bill de Blasio, nós amamos Nova York e nós amamos os EUA.

As desavenças entre Bolsonaro e de Blasio começaram em abril, quando se aqueceram as polêmicas sobre a homenagem da Câmara de Comércio Brasil-EUA a Bolsonaro.

Blasio acusou o presidente brasileiro de ser “racista, homofóbico e destrutivo” e afirmou que ele não era bem-vindo na cidade. Quando foi confirmado que Bolsonaro não iria a Nova York, o prefeito comemorou com ironia o cancelamento da viagem do presidente à cidade. No Brasil, Bolsonaro foi defendido, entre outros, pelo vice-presidente Hamilton Mourão e pelo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que também criticaram a postura de De Blasio.

Várias empresas desistiram de patrocinar o evento, como a a companhia aérea Delta, a consultoria Bain & Company e o jornal Financial Times. A pressão levou a homenagem a ser transferida para Dallas, no Texas, onde Bolsonaro chegou na manhã desta quarta-feira. A celebração acontece na quinta-feira.

O presidente se referiu à polêmica na chegada ao hotel em Dallas.

— Amanhã tem o evento nosso que seria em Nova York, mas que lamentavelmente o prefeito não me quis lá — disse ele. — Estamos sendo muito bem recebidos aqui e o objetivo da nossa viagem será alcançado: aprofundar cada vez mais os laços de amizade e também de cooperação comercial com este país que eu sempre amei desde a minha infância

Bolsonaro acrescentou que espera ir a Nova York quando de Blasio deixar o poder:

— Também amo Nova York, pretendo, se o prefeito de lá deixar o poder, que vai deixar brevemente, conhecer essa cidade que também foi um sonho meu.

Deixe um comentário

Leia também

Cientista Alan Turing estampa nova nota de 50 libras no Reino Unido

EFE – O rosto do cientista inglês Alan Turing, considerado o pai da informática e da…