Home EUA ‘Saí do Brasil com medo da violência’, diz a mãe do estudante que foi baleado em Chicago
EUA - Local - Mundo - Policial - 2 semanas atrás

‘Saí do Brasil com medo da violência’, diz a mãe do estudante que foi baleado em Chicago

Segundo familiares, João Pedro Elisei Marchezani, que completou 23 anos em 27 de setembro, segue em estado crítico, mas vem apresentando melhorias dia após dia.

Da Redação – Um mês após o estudante brasileiro João Pedro Marchezani, de 23 anos, ser baleado nos Estados Unidos, a mãe do jovem, Mônica Marchezani contou ao jornal O Globo que deixou o Brasil, há quatro anos, para fugir da violência.

“Eu falei para todo mundo: eu saí do Brasil com medo da violência, do que poderia acontecer com os meus filhos, e porque eu queria um futuro melhor para eles”. Pensei: “Vou levar meus filhos para os Estados Unidos porque, assim, eles vão ter mais paz, segurança, e vão poder estudar em colégios e universidades americanos de qualidade”, lembra Marchezani.

Os investigadores, que já reuniram várias imagens de câmeras de segurança do local onde tudo aconteceu, informaram à família que trabalham com duas hipóteses que resultaram na tentativa de homicídio: a de tentativa de roubo de carro ou mesmo de crime de trânsito, supostamente motivado pelo fato de o rapaz que dirigia o carro ter fechado a moto onde estaria um integrante da gangue, armado.

João Pedro foi baleado na madrugada do dia 4 para o dia 5 de setembro, um fim de semana. Pouco antes, no dia 1º de setembro, ele havia se mudado com a namorada para o primeiro apartamento onde viveriam juntos, pelo menos por seis ou oito meses, até que o rapaz se formasse em Robótica e fosse a Ohio trabalhar junto com o seu pai.

“O que a gente sabe até agora é que era uma gangue, que fica ali naquela região. Aqui, nós temos um aplicativo chamado Citizen, que mostra tudo de ruim que acontece pela região: tiro, batida, coisas desse tipo. E as pessoas sinalizaram que eles (os criminosos) ficam no cruzamento de duas avenidas de Chicago, por onde meu filho e os amigos passaram. É uma gangue perigosa, conhecida e antiga. A polícia nos disse que, no dia em que aconteceu isso com o meu filho, eles estavam bebendo e apostando corrida pelo bairro”, relatou Mônica Marchezani, mãe de João Pedro, em entrevista ao GLOBO. 

Campanha

Como os custos da longa internação vêm se acumulando, os parentes do jovem lançaram uma campanha para ajudar no pagamento das despesas com o hospital.

As doações para que ele possa seguir o tratamento, atualmente a fisioterapia tem tido papel importante em sua recuperação, podem ser feitas através do site gofundme. Também há uma chave PIX para doações vindas do Brasil (ajudejp@gmail.com).

Deixe um comentário

Leia também

EUA tem muitos empregos, poucos candidatos e salários em alta

AFP – Conseguir trabalhadores se tornou uma tarefa difícil nos Estados Unidos, onde …