Home Biden Ruas sufocantes: Centenas de desabrigados morrem devido ao calor extremo nos Estados Unidos
Biden - Mundo - Novo Normal - 4 dias atrás

Ruas sufocantes: Centenas de desabrigados morrem devido ao calor extremo nos Estados Unidos

O calor excessivo causa mais mortes relacionadas ao clima nos Estados Unidos do que furacões, inundações e tornados combinados. Em todo o país, o calor contribui para cerca de 1.500 mortes por ano, e os assistentes sociais que cuidam de abrigos no pais estimam que cerca de metade dessas pessoas são desabrigadas.

JSNEWS – Centenas de tendas azuis, verdes e cinzas são castigadas pelos raios do sol no centro de Phoenix, Arizona, uma mistura de tela frágil e plástico ao longo de calçadas empoeiradas. Aqui, na cidade mais quente dos USA, milhares de sem-teto se abrigam como podem das  altas temperaturas  do verão.

A sufocante cidade das tendas em forma de balões coloridos que se ganhou tamanho em meio aos despejos da era pandêmica e aluguéis crescentes apresenta uma estranha tranquilidade mesmo quando as temperaturas atingem o pico no inicio da tarde. Uma onda de calor no início deste mês trouxe temperaturas de até 114 graus (45,5 Celsius) – e é apenas junho. As máximas atingiram 118 graus (47,7 Celsius) no ano passado.

“Durante o verão, é muito difícil encontrar um lugar à noite que seja bom o suficiente para dormir sem que a polícia te incomode”, disse Chris Medlock, um homem sem-teto de Phoenix conhecido nas ruas como “T-Bone” que carrega tudo o que possui em uma pequena mochila e muitas vezes dorme em um parque ou em uma reserva de deserto nas proximidades para evitar as multidões.

“Se uma alma gentil pudesse apenas oferecer um lugar em seu sofá dentro de casa, talvez mais pessoas viveriam”, disse Medlock em uma sala de jantar onde os sem-teto podem obter alguma sombra e uma refeição grátis.

O calor excessivo causa mais mortes relacionadas ao clima nos Estados Unidos do que furacões, inundações e tornados combinados.

Em todo o país, o calor contribui para cerca de 1.500 mortes por ano, e os assistentes sociais que cuidam de abrigos no pais estimam que cerca de metade dessas pessoas são desabrigadas.

As temperaturas estão subindo em quase todos os lugares por causa do aquecimento global, combinando com a seca brutal em alguns lugares para criar ondas de calor mais intensas, frequentes e mais longas. Os últimos verões foram alguns dos mais quentes já registrados.

Apenas no condado que inclui Phoenix, pelo menos 130 pessoas sem-teto estavam entre os 339 indivíduos que morreram por causas associadas ao calor em 2021.

“Se 130 pessoas sem-teto estivessem morrendo de outra forma, seria considerado um evento de pouca relevância”, disse Kristie L. Ebi, professora de saúde global da Universidade de Washington.

É um problema que se estende pelos Estados Unidos, e agora, com o aumento das temperaturas globais, o calor não é mais um perigo apenas em lugares como Phoenix.

Este verão provavelmente trará temperaturas acima do normal sobre a maioria das áreas terrestres em todo o mundo, de acordo com um mapa sazonal que climatologistas voluntários criaram para o Instituto Internacional de Pesquisa da Universidade de Columbia.

No verão passado, uma onda de calor explodiu o normalmente temperado noroeste dos EUA e fez os residentes de Seattle dormirem em seus quintais e telhados, ou fugirem para hotéis com ar condicionado. Em todo o estado, várias pessoas presumidamente sem-teto morreram ao ar livre, incluindo um homem caído atrás de um posto de gasolina.

Em Oregon, as autoridades abriram centros de resfriamento 24 horas pela primeira vez. Equipes voluntárias se espalharam com água e “picolés” em acampamentos de sem-teto nos arredores de Portland.

Uma rápida análise científica concluiu que a onda de calor do Noroeste do Pacífico no ano passado seria um evento praticamente impossível sem que as mudanças climáticas adicionassem vários graus aos registros anteriores.

Mesmo Boston está colocando em pratica varias maneiras de proteger diversos bairros como Chinatown, onde a densidade populacional e poucas árvores de sombra ajudam a aumentar as temperaturas até 106 graus (41 Celsius) em alguns dias de verão. A cidade planeja estratégias como aumentar a cobertura verde e outros tipos de sombra, usar materiais mais frios para telhados e expandir sua rede de centros de resfriamento durante ondas de calor.

Não é só um problema dos EUA. Uma análise da Associated Press no ano passado de um conjunto de dados publicado pela escola climática da Universidade de Columbia descobriu que a exposição ao calor extremo triplicou e agora afeta cerca de um quarto da população mundial.

Nesta primavera, uma onda de calor extrema tomou grande parte do Paquistão e da Índia, onde a falta de moradia é generalizada devido à discriminação e à insuficiência de moradias acessíveis. A máxima em Jacobabad, Paquistão, perto da fronteira com a Índia, atingiu 122 graus (50 Celsius) em maio.

Dr. Dileep Mavalankar, que dirige o Instituto Indiano de Saúde Pública na cidade indiana ocidental Gandhinagar, disse que por causa da ma cobertura da imprensa e da falta de estatísticas governamentais, ele reportagem não se sabe quantos morreram no país por exposição ao calor.

Centros de resfriamento de verão para pessoas sem-teto, idosos e outras populações vulneráveis abriram em vários países europeus a cada verão desde que uma onda de calor matou 70.000 pessoas em toda a Europa em 2003.

Trabalhadores do serviço de emergência em bicicletas patrulham as ruas de Madri, distribuindo blocos de gelo e água nos meses quentes. Ainda assim, cerca de 1.300 pessoas, a maioria idosas, continuam a morrer na Espanha a cada verão por causa de complicações de saúde exacerbadas pelo excesso de calor.

Espanha e sul da França na semana passada passaram por um tempo inusitado e quente para meados de junho, com temperaturas atingindo 104 graus (40 Celsius) em algumas áreas.

O cientista climático David Hondula, que lidera o novo escritório de Phoenix para mitigação de calor, diz que, com esse clima extremo agora visto em todo o mundo e mais soluções são necessárias para proteger os vulneráveis, especialmente os sem-teto que são cerca de 200 vezes mais propensos do que indivíduos protegidos a morrer por causas associadas ao calor.

Em Las Vegas, equipes entregam água engarrafada para pessoas sem-teto que vivem em acampamentos ao redor do condado e dentro de uma rede de bueiros subterrâneos de Las Vegas.

À medida que as temperaturas continuam a subir nos EUA e no mundo, cidades como Seattle, Minneapolis, Nova York ou Kansas City que não têm experiência ou infraestrutura para lidar com o calor também têm que se ajustar.

Deixe um comentário

Leia também

O condenado à morte nos EUA que ganhou na Justiça direito de ser fuzilado

BBC BRASIL – A Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu na quinta-feira (23/6) que u…