Home Mundo Reino Unido deve começar a vacinar contra covid nos próximos dias; será o 1º país do Ocidente
Mundo - Saúde - 11/28/2020

Reino Unido deve começar a vacinar contra covid nos próximos dias; será o 1º país do Ocidente

Governo do país afirmou que a distribuição da vacina desenvolvida pela Pfizer deve começar horas após a sua liberação, as primeiras injeções podem ocorrer já no dia 7 de dezembro

ESTADÃO – O Reino Unido está prestes a se tornar o primeiro país ocidental a aprovar uma vacina para a covid-19. De acordo com o jornal Financial Times, a vacina desenvolvida pela empresa de biotecnologia alemã BioNTech em parceria com a farmacêutica Pfizer deve receber a aprovação da agência regulatória do país nos próximos dias. O governo britânico afirmou que a distribuição do imunizante deve começar horas após a sua liberação, as primeiras injeções podem ocorrer já no dia 7 de dezembro.

O Reino Unido encomendou 40 milhões de doses do produto de duas doses. Na segunda-feira (23), a BioNTech e a Pfizer anunciaram que a sua vacina para o coronavírus apresentou mais de 95% de eficácia na prevenção da doença entre os voluntários.

De acordo com o jornal The Guardian, as equipas dos hospitais públicos do Reino Unido devem ter as equipas preparadas para começar a receber as primeiras doses de vacinas. No dia 7 de dezembro, segunda-feira, o fármaco da Pfizer deverá estar nas mãos dos profissionais do serviço nacional de saúde (National Health Service, NHS na sigla inglesa), e serão estes também os primeiros a ser vacinados.

“Disseram-nos para estarmos à espera da vacina e para nos planejarmos vacinar a nossa equipa durante essa semana”, escreve o jornal britânico citando fonte hospitalar. “É a vacina da Pfizer que vamos receber, portanto, não pode ser transportada novamente depois de nos ser entregue e teremos de usá-la no espaço de cinco dias, que é seu prazo de validade.”

Chegada a vacina aos hospitais, serão os profissionais de saúde os primeiros a ser vacinados, embora, numa primeira fase da discussão, o Governo de Boris Johnson tivesse apontado que seriam os cidadãos com mais de 80 anos e os residentes em lares de idosos a ter prioridade na vacinação. A escolha prendia-se com o facto de serem aqueles que correm maior risco de morrer na sequência da doença.

Neste momento, são a segunda prioridade e a mudança de regras teve a ver com as condicionantes do transporte da vacina desenvolvida pela Pfizer em parceria com a BioNTech. O fármaco só pode ser transportado um número limitado de vezes, já que se for movida mais do que quatro vezes pode tornar-se instável e ineficaz, escreve o jornal britânico.

Aprovação
As vacinas seriam normalmente autorizadas pela Agência Europeia de Medicamentos até o final da transição Brexit, em 31 de dezembro. No entanto, a Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde do Reino Unido tem o poder de autorizar temporariamente os produtos, em casos de necessidade pública urgente.

O mesmo processo poderia ser aplicado à vacina desenvolvida pela AstraZeneca e pela Universidade de Oxford. Na sexta-feira (27), o governo britânico escreveu ao regulador, pedindo que revisse a vacina AstraZeneca-Oxford.

A Rússia aprovou a sua vacina contra o coronavírus em agosto, mas isso não foi baseado em dados de testes em grande escala. No início do mês, um representante do Ministério da Saúde do país que a vacina Sputnik V, como é chamado o imunizante russo, tem 90% de eficácia.

A BioNTech e a Pfizer enviaram no início deste mês dados do estudo de fase 3 em grande escala, que envolveu mais de 43.000 pessoas, ao US Food and Drug Administration (FDA), a agência que regula medicamentos e alimentos nos Estados Unidos. Uma aprovação emergencial dos EUA pode ocorrer entre 8 e 10 de dezembro, com os embarques em todo o país a partir de 24 horas após o anúncio, de acordo com relatos da mídia americana.

No Brasil, a farmacêutica Pfizer informou na ultima quarta-feira, 25, que deu início ao processo de submissão para registro da sua vacina contra a covid-19 junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Apesar de o registro ter sido iniciado junto à Anvisa, ainda não está claro quando o Brasil poderia ter acesso à vacina.

Deixe um comentário

Leia também

Covid-19: Flórida exigira comprovação de residência para conter o ‘turismo de vacinas’

AFP – A Flórida impôs a exigência de comprovação de residência para vacinar contra a…