Home Brasil Prefeito diz que pastor pediu propina até em bíblias para liberar recursos do MEC
Brasil - Mundo - Novo Normal - Política - Religião - 03/24/2022

Prefeito diz que pastor pediu propina até em bíblias para liberar recursos do MEC

Da Redação – Dois prefeitos relataram ao jornal O Globo que o pastor Arilton Moura, suspeito de fazer lobby para o Ministério da Educação, teria solicitado propina para ajudá-los a conseguir recursos do MEC para a construção de escolas em seus municípios.

Os prefeitos Kelton Pinheiro, de Bonfinópolis (GO), e José Manoel de Souza, de Boa Esperança do Sul (SP), chegaram a ter audiências com o ministro da Educação, Milton Ribeiro, e que depois se reuniram com o pastor Arilton.

Os pedidos de propina supostamente pedidos pelo pastor variaram de R$ 15 mil a R$ 40 mil, e ele chegou até mesmo a exigir de Kelton que comprasse bíblias que ajudariam na arrecadação de dinheiro para sua igreja.

Arilton é assessor de Assuntos Políticos da Convenção Nacional de Igrejas e Ministros das Assembleias de Deus no Brasil, organização presidida pelo também pastor Gilmar Silva dos Santos. Os dois atuam como assessores informais do MEC, intermediando reuniões entre municípios e a pasta para ajudar na liberação de recursos dela, como revelou o jornal O Estado de S. Paulo.

Nesta semana, a Folha também revelou um áudio do ministro da Educação, Milton Ribeiro, afirmando que o governo prioriza “os amigos de Gilmar”, a pedido do presidente Jair Bolsonaro (PL). O ministro negou em nota as acusações.

O prefeito de Bonfinópolis, Kelton Pinheiro, contou ao Globo que se reuniu no MEC, em Brasília, com Ribeiro e outros 15 gestores municipais em 11 de março de 2021. Após o encontro, os pastores Arilton e Gilmar chamaram os prefeitos para um almoço, no qual Arilton o abordou questionando se sua cidade tinha algum pedido de melhorias.

Após dizer que seu município precisava de mais uma escola, o prefeito teria ouvido do pastor o pedido de propina. “Disse que eu teria que dar R$ 15 mil para ele naquele dia para ele poder fazer a indicação. (Ele disse) ‘Transfere para minha conta, é hoje (…) No Brasil as coisas funcionam assim”, contou Kelton ao Globo.

O prefeito de Bonfinópolis também revelou o pedido inusitado do pastor, que ele comprasse bíblias da igreja dele para ajudar na arrecadação de verbas.

“Que eu desse uma oferta para a igreja, comprasse as bíblias para ajudar na construção da igreja (…) Seria uma venda casada. Eu teria que comprar essas bíblias, porque ele estava em campanha para arrecadar dinheiro para a construção da igreja”, afirmou Kelton.

Já o prefeito de Boa Esperança do Sul, José Manoel de Souza, teve uma reunião com o ministro da Educação e cerca de 30 gestores no MEC, em 13 de janeiro de 2021. Após o encontro, ele diz ter sido abordado por Arilton e que o pastor teria pedido R$ 40 mil de propina para a liberação de recursos do MEC para seu município.

Eu o abordei e perguntei: ‘Senhor Arilton, como serão as liberações? Vai ser para todos os municípios?’ E ele falou: ‘Vamos ali fora… Eu vou ser bem sincero. Tem escolas profissionalizantes no seu município?’ Eu disse que não, porque a cidade é pequena, e a gente precisa aumentar creches e ônibus escolar. E ele falou: ‘Se você quiser, eu passo um papel agora, ligo para uma pessoa e as escolas profissionalizantes vão chegar ao seu município, mas em contrapartida, você precisa depositar R$ 40 mil para ajudar a igreja. Uma mão lava a outra, né?’, disse Souza.

“Eu bati nas costas dele e falei: ‘Obrigado senhor Arilton, mas para mim não serve’”, disse o prefeito de Boa Esperança do Sul.

Deixe um comentário

Leia também

Sport Total – De canela

Por: Alfredo Melo – info@jornaldossportsusa.com 1 Os profissionais do futebol contin…