Home Biden O que está em jogo nas eleições para o Congresso dos Estados Unidos em 2022

O que está em jogo nas eleições para o Congresso dos Estados Unidos em 2022

Este ano os republicanos precisam apenas ganhar cinco assentos para assumir a maioria na câmara de 435 membros.

JSNEWS – O controle do Congresso dos Estados Unidos está em jogo nas eleições de meio de mandato no mês de novembro juntamente com a agenda política do presidente Joe Biden.

Os republicanos têm uma grande chance de assumir o controle da Câmara dos Representantes dos EUA, enquanto os democratas têm boas chances de manter a maioria no Senado. Uma câmara dominada pelos republicanos seria suficiente para inviabilizar a maioria da legislação Biden que e seus colegas democratas querem promulgar.

Um pouco de historia

No Estados Unidos o partido que esta poder normalmente perde assentos na Câmara durante o primeiro mandato de um novo presidente.

O partido do presidente democrata Barack Obama perdeu 63 assentos na eleição de 2010 durante seu primeiro mandato. Em 2018, dois anos após a presidência de Donald Trump, o Partido Republicano perdeu de 41 cadeiras na Câmara. Em ambos os casos, o controle do partido governista na câmara passou a oposição.

Este ano os republicanos precisam apenas ganhar cinco assentos para assumir a maioria na câmara de 435 membros.

Suas perspectivas de ganhar esses assentos foram reforçadas pela prática de “gerrymandering”, o desenho de uma década dos distritos congressionais pelas legislaturas estaduais. Os republicanos controlam a grande maioria das casas de estado dos EUA e têm usado esse poder para formar distritos que favoreçam seus próprios candidatos e garantam menos corridas competitivas.

Já os democratas desenharam seu próprio mapa de forma tão agressiva agressiva em Nova York a tal ponto que uma decisão judicial invalidou o mapa do Congresso de Nova York devido o “gerrymandering”.

Suspense

Os republicanos precisam ganhar apenas um assento para assumir o controle do Senado dos EUA, que atualmente está dividido em 50-50 com a vice-presidente Kamala Harris como o voto de desempate.

Mas os candidatos democratas testados em batalha no Arizona, Geórgia e Nevada podem ajudar o partido a manter esses assentos, enquanto os republicanos poderiam ceder assentos na Pensilvânia e Wisconsin, dois estados que votaram em Biden nas eleições presidenciais de 2020.

A chamada onda republicana poderia resultar em todos os assentos indo para o caminho do partido, junto talvez com New Hampshire, o que lhe daria uma maioria de 54-49.

Biden

Biden não está nas urnas de novembro, mas essas eleições servem como um referendo sobre o presidente. Infelizmente para os democratas, a economia dos Estados Unidos sob o governo Biden esta passando por uma crise.

Mais da metade do país, 53%, desaprova seu desempenho, segundo pesquisa Reuters/Ipsos realizada entre 25 e 26 de abril. 60% dos entrevistados disseram que Biden esta conduzindo o país para a direção errada, incluindo 40% dos democratas e 54% dos eleitores que se dizem independentes.

Outras pesquisas de opinião, como o Gallup, mostram níveis semelhantes de desaprovação. Na verdade, Biden é mais impopular do que Obama era em 2010, quando os democratas foram inundados nas eleições da Câmara.

Os democratas temem que a impopularidade de Biden possa deprimir a participação politica de seus eleitores, ao mesmo tempo em que motivam os republicanos.

Trump também não está nas urnas. Mas ele está apoiando uma lista de candidatos com a mesma mentalidade com um olho para permanecer o líder de fato de seu partido e outra possível candidatura à Casa Branca em 2024.

Economia

As esperanças dos democratas de que uma rápida recuperação econômica da pandemia COVID-19 aumentariam suas perspectivas de médio prazo não foram concretizadas.

Apesar de uma queda acentuada do desemprego, a economia continua atormentada pela inflação desenfreada, que aumentou o custo dos gastos domésticos, como alimentos e energia. A interrupção contínua da cadeia de suprimentos levou o produto interno bruto do país (PIB) a cair ligeiramente no primeiro trimestre de 2022 – seu pior desempenho em dois anos –, embora analistas digam que há pouca chance de o país entrar em recessão.

A falta de entendimento entre legisladores democratas frustrou as tentativas de cumprir as promessas de Biden. Depois de aprovar um pacote de resgate maciço e um projeto de lei de infraestrutura abrangente no ano passado, o Congresso permanece atolado em negociações sobre ajuda a coronavírus, bem como um potencial pacote que gira em torno das mudanças climáticas, reforma da politica de combate as drogas e mudanças no código fiscal.

Como resultado da “gerrymandering”, tanto democrata como republicana,  e do aumento da polarização do eleitorado, o número de distritos congressionais que podem ser chamados de verdadeiramente competitivos encolheu drasticamente.

De acordo com analistas eleitorais, menos de 20 disputas para a Câmara são vistas como verdadeiras, e apenas 32 disputas locais podem ser consideradas realmente competitivas.

Isso dá aos democratas menos oportunidades de conter suas perdas capturando assentos em outros lugares. E em várias dessas corridas competitivas, as aposentadorias de politica tradicionais do prtaido democratas, cerca de 30 que anunciaram que não irão disputar as eleições de Novembro, comprometem as chances do partido em manter esses assentos.

Em estimativas eleitorais como a do Cook Political Report, Inside Elections e o University of Virginia Center for Politics, vêem os republicanos como favoritos para ganhar a Câmara, com base no ambiente político e fatores como geografia e demografia.

David Wasserman, analista eleitoral do Cook Political Report, disse que o resultado provável para os democratas da Câmara está entre “terrível” e “horrível” – sendo este último a perda de mais de 30 assentos.

Deixe um comentário

Leia também

PF prende ‘coiote’ que intermediou imigração ilegal de brasileira que morreu na fronteira do México com os EUA

Da redação com EXTRA – A Polícia Federal do Brasil prendeu um homem de 38 anos suspe…