Home Biden John Kerry, o enviado especial dos EUA para o clima, faz crítica ao Brasil e elogia Índia, China e África do Sul em Londres
Biden - China - Mundo - Policial - 4 dias atrás

John Kerry, o enviado especial dos EUA para o clima, faz crítica ao Brasil e elogia Índia, China e África do Sul em Londres

Numa fala que não poupou elogios a grandes emissores do mundo em desenvolvimento, como China, Índia e África do Sul – e que mencionou de forma positiva até mesmo aos vilões clássicos do clima Arábia Saudita e Rússia –, o Brasil apareceu apenas de forma velada

JSNEWS – O enviado especial dos Estados Unidos para as mudanças climáticas, John Kerry, pediu à China nesta terça-feira (20) que mostreliderança” e coopere com os EUA apesar de suas diferenças, ou será “impossível” cumprir as metas de contenção do aquecimento global.

“Simplesmente não há maneira, matemática ou ideológica, de resolver a crise climática sem a plena cooperação e liderança de um país” que é hoje o maior emissor mundial de gases de efeito estufa, disse Kerry em discurso em Londres, referindo-se ao gigante asiático.

“A China pode absolutamente ajudar o mundo a reduzir as emissões de gases de efeito estufa … nesta década crítica de 2020 a 2030”, acrescentou o ex-candidato presidencial dos EUA.

“Não é nenhum mistério que a China e os Estados Unidos tenham muitas diferenças”, mas “a cooperação climática é a única maneira de escapar do atual pacto de suicídio mútuo”, disse ele.

Observando que resta muito pouco tempo para agir, Kerry enfatizou que “sem reduções suficientes por parte da China” seria “fundamentalmente impossível” atingir o objetivo comum de limitar o aquecimento a 1,5ºC.

Além desse limite, os cientistas acreditam que as mudanças climáticas serão incontroláveis.

Segundo o plano de cinco anos apresentado em março por Pequim, as emissões de dióxido de carbono da China devem começar a diminuir a partir de 2030.

Mas o documento dá poucas indicações de como as autoridades pretendem fazer isso e o maior poluidor do mundo planeja aumentar o investimento em usinas de energia à base de carvão, que Kerry chamou de “preocupantes” nesta terça-feira.

John Kerry também disse que alguns países estão aumentando o desmatamento e “continuando a cortar ilegalmente a floresta tropical”. Segundo ele, esses países estão “removendo os pulmões do mundo, destruindo uma biodiversidade insubstituível e desestabilizando o clima, tudo ao mesmo tempo”. Ele também mencionou de forma positiva até mesmo a Arábia Saudita e a Rússia. 

O Reino Unido sediará a maior conferência climática da ONU (COP26) em Glasgow em novembro, um “momento divisor de águas” para o mundo “controlar a mudança climática”, disse Kerry, destacando que “em pouco mais de 100 dias, podemos salvar os próximos 100 anos”.

E ele pediu um esforço coletivo para reduzir as emissões de gases de efeito estufa em pelo menos 45% até 2030, com o objetivo de alcançar a neutralidade de carbono até 2050.

Deixe um comentário

Leia também

Abertura das Olimpíadas tem estádio vazio e protestos

A cerimônia de abertura das Olimpíadas de Tóquio foi realizada nesta 6ª feira, 23, com o e…