Home Biden IX Cúpula das Américas começa nessa segunda-feira, com as ausências das ditaduras de Cuba, Venezuela e Nicarágua
Biden - Massacre - Mundo - Novo Normal - Política - 06/05/2022

IX Cúpula das Américas começa nessa segunda-feira, com as ausências das ditaduras de Cuba, Venezuela e Nicarágua

JSNEWS – A IX Cúpula das Américas começa nessa segunda-feira, 6 de junho, em Los Angeles, com uma agenda que aborda os principais desafios que o continente americano enfrenta, num encontro marcado pelas ausências de Cuba, Venezuela e Nicarágua, que os Estados Unidos não convidaram.

Crescimento econômico, alterações climáticas, violência, pobreza, migrações e a pandemia de covid-19 estarão “seguramente” no centro dos debates durante o encontro que finaliza em 10 de junho e que reúne não só chefes de Estado e de governo e ministros como também líderes da sociedade civil e empresários de todo o continente.

As ausências dos ditadores de cuba Miguel Díaz-Canel, de Nicolás Maduro, o tirano da Venezuela, e de Daniel Ortega, da Nicarágua foram justificadas pelos Estados Unidos por não serem democracias, fez com que com que o Presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, e outros chefes de Estado latino-americanos, se solidarizassem com as ditaduras.

Alguns lideres anunciaram simplesmente que não estariam presentes, em protesto contra a atitude discriminatória do país anfitrião, ao passo que outros ameaçaram boicotar a cimeira, como López Obrador, que enviou uma carta ao Presidente norte-americano, Joe Biden, dizendo que só participaria no encontro se todos os países do continente americano fossem convidados.

O Presidente mexicano indicou que aguarda ainda uma resposta da Administração Biden, mas acrescentou que, mesmo que não vá, o México estará oficialmente representado pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Marcelo Ebrard, e que, de qualquer maneira, “as relações com os Estados Unidos vão continuar a ser boas, porque são relações de amizade”.

Até agora, disseram que não se farão representar em Los Angeles a Bolívia e países da Comunidade das Caraíbas (Caricom) como São Vicente e Granadinas.

Outros Estados, como Argentina, Chile e Honduras, reiteraram as críticas aos Estados Unidos, mas já tinham confirmado a sua participação e não recuaram.

Entretanto, uma aliança de mais de 150 organizações dos Estados Unidos e da América Latina anunciou a realização entre 08 e 10 de junho da Cúpula dos Povos pela Democracia, também em Los Angeles, em protesto contra a ausência dos temas da imigração e das minorias da Cúpula das Américas.

Segundo Angélica Salas, diretora da União pelos Direitos Humanos dos Imigrantes (CHIRLA), a Cimeira dos Povos pela Democracia abordará “todos aqueles temas importantes que a cimeira presidencial deixou de fora”, como os direitos dos imigrantes, das mulheres e dos trabalhadores.

“Não se vai falar oficialmente de imigração na Cúpula das Américas, e isso é um grande erro. Por isso, nós estamos a fazer esta cimeira, porque queremos garantir que as vozes dos imigrantes são ouvidas”, disse.

O evento alternativo, que decorrerá a apenas alguns quarteirões do Centro de Convenções de L.A., local que acolherá os representantes oficiais, pretende debater as preocupações com as leis da imigração – como o polêmico Título 42, que permite expulsar de imediato imigrantes por razões sanitárias além da necessidade de aprovar uma reforma migratória nos Estados Unidos, entre outras questões.

A América vive uma das suas maiores crises migratórias desde que Biden assumiu o governo, com centenas de milhares de pessoas tentando entrar nos Estados Unidos fugindo da vida miserável que levavam em seus países.

Deixe um comentário

Leia também

Suprema Corte dos USA encerra política que obriga demandantes de asilo a esperarem no México

Da Redação – O Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos anunciou na noit…