Home Biden Imigrantes nos EUA são mais propensos a abrir empresas que a população nativa, informa estudo do MIT
Biden - Economia - EUA - Imigração - Internacional - Mundo - 2 semanas atrás

Imigrantes nos EUA são mais propensos a abrir empresas que a população nativa, informa estudo do MIT

Em comparação com os cidadãos nativos, os imigrantes estão mais propensos a abrir o próprio negócio

JSNEWS – Os imigrantes para os EUA são mais propensos a abrir negócios do que os nativos americanos, de acordo com um estudo que analisa amplamente as empresas registradas em todo o país.

A pesquisa de coautoria de um economista do MIT, conclui que imigrantes têm cerca de 80% mais chances de fundar uma empresa, em comparação com cidadãos nascidos nos EUA. Essas empresas também têm cerca de 1% a mais de funcionários do que aquelas fundadas por nativos dos EUA, em média.

“Os imigrantes, em relação aos nativos e em relação à sua parcela da população, encontraram mais empresas de todos os tamanhos”, diz Pierre Azoulay, economista da MIT Sloan School of Management e coautor de um artigo publicado detalhando os resultados do estudo.

Levando em conta a criação de empresas, os resultados indicam que a imigração para os EUA está associada a um ganho líquido na disponibilidade de emprego, contrariando a percepção comum de que os imigrantes preenchem empregos que os trabalhadores nascidos nos EUA teriam de outra forma.

“As descobertas sugerem que os imigrantes agem mais como ‘criadores de emprego’ do que ‘tomadores de emprego’ e que não são nascidos nos EUA, os fundadores que desempenham papéis relevantes no empreendedorismo de alto crescimento dos EUA”, escrevem os autores no artigo.

O artigo, “Imigração e Empreendeorismo nos Estados Unidos”, aparece na edição de primavera da American Economic Review: Insights, de Os autoria de Azoulay, que é professor de Gestão de Programas Internacionais no MIT Sloan, Benjamin Jones, professor de Empreendedorismo Gordon e Llura Gund e professor de estratégia na Kellogg School of Management da Northwestern University; J. Daniel Kim PhD ’20, professor assistente de administração na Escola Wharton da Universidade da Pensilvânia; e Javier Miranda, economista-chefe do U.S. Census Bureau.

Três escalas de empresas

Para realizar o estudo, os estudiosos examinaram três tipos de fontes de dados. Para começar, os pesquisadores usaram dados do Census Bureau dos EUA e registros fiscais para todas as novas empresas fundadas nos EUA de 2005 a 2010, um total de 1,02 milhão de empresas. Isso permitiu que eles estudassem a criação de empresas e o crescimento do emprego nessas empresas durante um período de cinco anos.

É claro que muitas empresas americanas foram fundadas antes de 2005. Para analisar essas empresas e seus fundadores, a equipe de pesquisa analisou a Pesquisa de Proprietários de Empresas do Census Bureau dos EUA a partir de 2012, uma pesquisa periódica com dados que abrangem 200.000 empresas e incluindo dados sobre os proprietários. Isso permitiu que os estudiosos ampliassem o período de tempo do estudo e incluíssem muitas empresas maiores.

No entanto, muitas das maiores empresas dos EUA não respondem à Pesquisa de Proprietários de Empresas. Por essa razão, a equipe de pesquisa também analisou a Fortune 500 de 2017, identificando o status de cidadania e imigração de fundadores de 449 dessas empresas.

Em última análise, o estudo mostrou que 0,83% dos imigrantes para os EUA fundaram uma empresa de 2005 a 2010, enquanto 0,46% dos cidadãos nativos dos EUA fundaram uma empresa na época. Essa disparidade — a taxa 80% maior de fundação da empresa — também se manteve entre as empresas fundadas antes de 2005.

“Os imigrantes encontraram mais empresas em cada balde”, diz Azoulay. “Eles criam mais empresas, criam mais pequenas empresas, criam mais empresas de médio porte, criam mais grandes empresas.” Ele acrescenta: “Não é o caso de [imigrantes] criarem apenas startups orientadas ao crescimento. Não é o caso de criarem negócios de subsistência. Eles criam todos os tipos de negócios, e eles criam um monte deles.”

Azoulay enfatiza que o estudo, focado nos fatos empíricos sobre a criação de negócios, não explica por que os imigrantes tendem a fundar empresas com mais frequência. Pode ser que alguns imigrantes, encontrando dificuldades para acessar a força de trabalho dos EUA como funcionários, possam começar empresas do tipo serviço em vez disso.

Alternativamente, alguns imigrantes para os EUA chegam como estudantes, permanecem no país e encontraram empresas de startup de alta tecnologia de alto crescimento. A amplitude da tendência geral sugere que há provavelmente vários desses cenários em jogo ao mesmo tempo.

“Não pode haver apenas uma explicação”, diz Azoulay. “Provavelmente há uma história diferente para as empresas que eventualmente crescem para serem grandes, e para as empresas que começam pequenas e permanecem pequenas.”

Fatos para uma discussão maior

Como observam os pesquisadores, definir se os fundadores de uma empresa são imigrantes nem sempre é uma questão simples. Algumas empresas têm vários fundadores, representando uma mistura de imigrantes e nativos.

Para resolver esse problema, os estudiosos testaram várias formas de classificar dados firmes. Em uma iteração da análise, eles alocaram crédito para fundação firme proporcionalmente entre os fundadores. Em outra iteração, eles só creditavam uma empresa como sendo fundada por um imigrante se o fundador “lead” fosse um imigrante. Outra rodada de análise definiu uma empresa como sendo fundada por imigrantes se algum membro da equipe fundadora fosse um imigrante. Todas essas metodologias produziram a mesma tendência em larga escala.

De fato, como escrevem os autores no artigo, “os imigrantes parecem desempenhar um papel relativamente forte na expansão da demanda de trabalho em relação à oferta de mão-de-obra, em comparação com a população nativa”.

Azoulay observa que os debates sobre a política de imigração podem ter muitas dimensões e nem sempre vão girar em torno da economia. Ainda assim, quando se trata desse impacto econômico, e especificamente para a questão da criação e disponibilidade de empregos, Azoulay espera que o estudo forneça alguns pontos de dados básicos para o consumo público.

“Qualquer discussão precisa começar a partir de um conjunto comum de fatos”, diz Azoulay.

Deixe um comentário

Leia também

Elon Musk desafia acusadora abuso sexual para descrever como são suas partes íntimas

JSNEWS – Elon Musk disse que a mulher que o acusou de má conduta sexual de ser uma &…