Home Massacre Família Floyd e parentes de jovem morto se unem contra a violência policial nos EUA
Massacre - Mundo - Novo Normal - Policial - 04/13/2021

Família Floyd e parentes de jovem morto se unem contra a violência policial nos EUA

AFP – As famílias de George Floyd e Daunte Wright, o jovem negro morto a tiros pela polícia neste fim de semana, unem forças, além do luto e da revolta, para denunciar a violência policial e o racismo nos Estados Unidos.
“Quero que a justiça seja feita”, disse Katie Wright, cujo filho de 20 anos foi morto em um controle de tráfego no Brooklyn Center, um subúrbio de Minneapolis.

A polícia indicou que sua morte foi “acidental” e que ocorreu quando a policial Kim Potter se preparava para usar uma arma de choque e cometeu um erro e atirou com sua arma de fogo.

“Um erro? Isso soa estranho para mim, já que este agente tinha 26 anos de serviço”, disse Aubrey Wright, pai de Daunte, que falou com a voz entrecortada pelo choro em uma entrevista à ABC News.

Este novo drama exacerbou a tensão nas ruas de Minneapolis em meio ao processo contra Derek Chauvin, o policial acusado de matar George Floyd, também afro-americano, em 25 de maio.

Nesta terça-feira (13), este processo histórico – que deixa o país em suspense e é transmitido ao vivo por várias redes – entrou em uma nova fase com a apresentação da defesa.
Em seu turno, a promotoria chamou mais de 40 testemunhas, incluindo médicos, policiais e ex-policiais e pessoas que testemunharam a prisão de Floyd.

– “Sair” –

A tese do advogado do ex-policial, Eric Nelson, é que seu cliente respeitou as regras das forças da ordem e que a morte de Floyd foi influenciada pelo fentanil encontrado em seu sangue e outros fatores de saúde.

Seu objetivo é semear dúvidas, já que nos Estados Unidos os veredictos do júri devem ser unânimes.

Os especialistas citados pela acusação refutaram a tese de defesa, então agora Nelson deve prová-lo. Para isso, chamou Scott Creighton, o agente aposentado que prendeu Floyd em 2019.

Ele também convidou Michelle Moseng, uma paramédica que tratava de Floyd na época, para depor porque ele havia usado drogas.
“Ele me disse que tomava opiáceos a cada 20 minutos”, disse Moseng. Desde o início do processo, familiares de Floyd denunciam uma tática para manchar sua memória. “O processo é contra Derek Chauvin, não contra George Floyd”, disseram.

Nesta terça-feira, convocaram uma coletiva de imprensa em conjunto com a família Daunte Wright.

– “Exaustivo” –

O sofrimento dessas duas famílias ressoa em vários casos nos quais afro-americanos são vítimas nos Estados Unidos.

“Ser uma pessoa negra é exaustivo”, disse à AFP Butchy Austin, um ativista de 37 anos que participou de uma vigília na noite de segunda-feira para lembrar Wright.

“Você só quer se sentir seguro”, disse ele.

Depois de uma noite de incidentes no domingo, as autoridades declararam um toque de recolher em toda Minneapolis e Saint-Paul na noite de segunda-feira e mobilizaram 1.000 soldados da Guarda Nacional.
Dezenas de manifestantes desafiaram a ordem e protestaram em frente à delegacia de polícia do Brooklyn Center segurando faixas com mensagens como “Parem todos os policiais assassinos e racistas”, “Eu sou o próximo?” e “Sem justiça não há paz”.

As forças da ordem usaram gás lacrimogêneo para dispersá-los e cerca de 40 pessoas foram presas. A mídia local relatou alguns atos de vandalismo.

Na manhã desta terça-feira, a calma voltou às ruas e os ativistas antirracismo mostraram sua determinação em se fazer ouvir.

“Vamos nos mobilizar para defender nossos vizinhos”, disse Nekima Levy Armstrong, uma das líderes mais ouvidas na comunidade negra de Minneapolis, em um chamado a uma oração virtual.

Deixe um comentário

Leia também

Governo dos EUA pede que as companhias aéreas sejam mais enérgicas com passageiros indisciplinados

JSNEWS – Administração da Aviação Federal dos USA (FAA) pede que as companhias aérea…