Home Biden Educação financeira entre americanos é a menor dos últimos 12 anos, revela pesquisa
Biden - Cultura - Economia - Mundo - 3 semanas atrás

Educação financeira entre americanos é a menor dos últimos 12 anos, revela pesquisa

JSNEWS – Os Estados Unidos é um país capitalista e, como tal, a educação financeira é primordial para que todos seus residentes possam navegar pelas adversidades econômicas globais e aproveitar as ferramentas disponíveis nessa sociedade, seja aquelas concedidas pelo governo ou as ofertadas pela iniciativa privada na forma de produtos financeiros. No entanto, um estudo recente mostra que a alfabetização financeira diminuiu gradualmente nos últimos 12 anos.

Em 2021, uma pesquisa revelou que os entrevistados, em média, responderam corretamente apenas 2,5 questões de 5 perguntas sobre educação financeira, e com base nesse resultado que foi promovido pelo Estudo Nacional de Capacidade Financeira da Finra Foundation, que entrevistou quase 30.000 adultos americanos. Uma outra pesquisa que foi feita em 2009 pela Finra Foundation, revelou naquela ocasião que a educação financeira dos americanos foi eleva com um nível de acerto para 3 perguntas.

“A queda de 14% na educação financeira de 2009 para 2021 é certamente notável, mas muito mais surpreendente é o aumento de 21% no número de respostas ‘eu não sei’ às perguntas do questionário de educação financeira durante o mesmo tempo”, disse o diretor da FINRA Research, Gary Mottola, ao Yahoo Money. “Ainda não entendemos por que tantas pessoas relatam ‘eu não sei’ nos últimos anos. Uma hipótese é que a crescente complexidade do nosso mundo financeiro pode indicar que as pessoas estão cada vez mais conscientes de suas próprias limitações de conhecimento.”

Para avaliar a educação financeira dos entrevistados, o NFCS 2021 utilizou 5 questões de teste que abrangem economia fundamental e finanças pessoais. As perguntas cobriam toda a gama de perguntas sobre juros compostos.

Por exemplo: suponha que você tenha $100 em uma conta poupança e a taxa de juros é de 2% ao ano. Depois de 5 anos, quanto você acha que teria na conta se deixasse o dinheiro crescer? As respostas possíveis incluíam: mais de US$ 102, exatamente US$ 102, menos de US$ 102 e “Eu não sei”.

Houve também questionamentos sobre a taxa de juros em uma poupança anual de 1% contra uma inflação anual de 2%. As pessoas tinham que responder se podiam comprar mais do que hoje, exatamente o mesmo, menos do que hoje ou “eu não sei“.

Houve até perguntas que confirmaram que as pessoas têm menos conhecimento sobre como funcionam os investimentos em ações, observando que geram um retorno mais seguro do que um fundo mútuo de ações.

Os resultados da pesquisa indicam que pessoas com maior escolaridade financeira são mais propensas a tomar medidas para planejar seu futuro financeiro de longo prazo, como calcular as necessidades de poupança de aposentadoria (52%, em comparação com 29% entre as pessoas com menor escolaridade financeira) e ter uma conta de aposentadoria (70% vs. 43%). Este grupo mais escolarizado tem 23% mais chances de gastar menos do que ganham e 26% menos propensos a usar formas de empréstimo de alto custo do que aqueles com pouca educação financeira, de acordo com a pesquisa da FINRA.

Segundo Mottola, o problema central é que, embora a inteligência financeira seja essencial, as circunstâncias dificultam o controle de alguns desses desafios para uma parcela da população.

“Em meio a esses ganhos globais na capacidade financeira, há segmentos que continuam a lutar, particularmente adultos mais jovens, aqueles com menores rendimentos e níveis de educação, negros/afro-americanos, hispânicos/latino-americanos (Imigrantes) e aqueles que foram demitidos”, disse Mottola.

De fato, alguns especialistas acham que os resultados são um reflexo de como a educação e os comportamentos financeiros estão intrinsecamente relacionados à sua capacidade de ganho também. Em outras palavras, quanto mais capacidade monetária eles têm, mais fácil é cometer erros que não afetam a adquirir experiência e o conhecimento financeiro necessários para melhorar.

“Pessoas com mais dinheiro têm mais experiência com ferramentas financeiras e serviços e, portanto, têm maior educação financeira. Dizendo a alguém que eles deveriam ter um fundo de emergência ou economizar em vez de pedir empréstimos, assume que eles estão ganhando dinheiro mais do que suficiente para cobrir despesas básicas e aproveitar a vida regularmente”, disse ele a Timothy N. Ogden, diretor administrativo da Financial Access Initiative na Wagner School of Public Service da Universidade de Nova York ao portal Yahoo Money. “As pessoas não deixam de pegar um empréstimo por desconhecer como os juros compostos funcionam. Eles pegam emprestado porque não têm dinheiro suficiente e não têm outras alternativas de acessar recursos de menor custo. Ensiná-los sobre a importância do planejamento de uma aposentadoria não vai mudar a necessidade de pagar aluguel, comprar comida, remédios ou a conta de luz este mês.”

Deixe um comentário

Leia também

Simone Tebet declara apoio a Lula: “Reconheço nele compromisso com a democracia”

FSP – A ex-candidata à presidência da República Simone Tebet (MDB) declarou voto ao …