Home Biden Baixos índices de aprovação de Biden nos meses que antecedem as eleições de meio de mandato preocupa democratas
Biden - Mundo - 04/04/2022

Baixos índices de aprovação de Biden nos meses que antecedem as eleições de meio de mandato preocupa democratas

Uma pesquisa da NBC News divulgada no domingo registrou o índice de aprovação de Biden em 40%, o mais baixo de sua presidência naquela pesquisa.

JSNEWS – O membros do partido democrata estão cada vez mais preocupados com a posição do presidente Biden nas urnas nos meses que antecedem as eleições de meio de mandato.

Biden não viu um aumento significativo em seus índices de aprovação em meio à guerra entre Rússia e Ucrânia, apesar do apoio entre os americanos para as medidas que ele tomou. Enquanto a economia continua manter em alta a oferta de empregos a inflação está em seu maior índice registrado nos últimos 40 anos.

Os democratas temem perder a maioria da Câmara neste outono e para muitos, essa derrota é rida como certa, mas perder também o senado, isso seria catastrófico para a agenda ‘progressista’.

“É ruim”, disse um estrategista democrata. “Você tem uma crise energética que está paralisando e a inflação está em uma alta de 40 anos e estamos entrando em recessão. O problema é simples. O povo americano perdeu a confiança nesse governo”. A notícia de que o mercado de trabalho criou 431.000 novas vagas de empregos em março é um sinal de que a economia esta forte. No entanto, esses números não são suficientes para impulsionara a popularidade de Biden entre os eleitores americanos.

“Minha hipótese é que, a menos que a inflação caia consideravelmente, e que haverá um crescimento da aprovação entre os eleitores, o aumento da oferta de emprego teve um efeito menor do que o esperado na Casa Branca”, disse Bill Galston, presidente do programa de estudos de governança da Brookings Institution e ex-conselheiro de política doméstica do presidente Clinton.

Biden inicialmente parecia receber um pequeno aumento de apoio após seu discurso no Estado da União, onde repreendeu fortemente o presidente russo Vladimir Putin pela guerra na Ucrânia que havia sido lançada menos de uma semana antes.

Desde então, os números de Biden permaneceram em baixa, pois os preços da gasolina permaneceram altos.

“Os altos preços da gasolina e do gás são uma das maiores âncoras na aprovação presidencial”, disse o editor sênior da Gallup, Jeff Jones, apontando para o impacto que os altos custos de combustível tiveram sobre os presidentes George W. Bush e Carter nas décadas de 2000 e 1970, respectivamente.

Jones também disse que o alto grau de polarização entre o eleitorado significa que é menos provável que Biden veja um impulso em meio à guerra na Europa.

Uma pesquisa da NBC News divulgada no domingo registrou o índice de aprovação de Biden em 40%, o mais baixo de sua presidência naquela pesquisa. Uma outra pesquisa do Marista College divulgada na quinta-feira constatou que 39% dos americanos aprovam o trabalho que Biden está fazendo como presidente, contra 47% imediatamente após o discurso do Estado da União no início do mês.

Jim Kessler, vice-presidente executivo de política do think tank centrista democrata Third Way, disse que não ficou surpreso com o declínio dos números de Biden, observando que os presidentes anteriores também viram declínios semelhantes durante o mesmo período em sua presidência. O partido do presidente também historicamente tem um desempenho ruim nas eleições de meio de mandato.

“Não estou nem um pouco chocado com os números porque eles parecem exatamente como é o normal”, disse Kessler. 

De acordo com Gallup, 1 em cada 5 americanos citou o alto custo de vida ou os preços dos combustíveis como o problema mais importante enfrentado pelo país. Em comparação, 9% citaram a situação com a Rússia e a Ucrânia e 3% disseram que o coronavírus, assuntos para os quais os eleitores tendem a dar a Biden notas mais altas.

A Casa Branca tem opções muito limitadas quando se trata de reduzir a inflação, algo que as autoridades esperam resolver ao longo deste ano. Enquanto isso, Biden está fazendo o que pode. Na quinta-feira, ele anunciou a liberação de um milhão de barris de petróleo da reserva estratégica dos Estados Unidos por dia pelos próximos seis meses para enfrentar o aumento dos preços do gás — o maior lançamento desse tipo.

“O que o presidente está fazendo é usar todas as ferramentas disponíveis para reduzir o preço da gasolina nas bombas”, disse a diretora de comunicações da Casa Branca, Kate Bedingfield, a repórteres.

Ao defender o relatório de empregos de março na manhã de sexta-feira como evidência de que a economia está “em movimento”, Biden deixou claro que abordar a inflação era o foco de seu governo.

“Este trabalho não está terminado”, disse Biden. “Precisamos fazer mais para controlar os preços.”

Funcionários do governo tentaram colocar a culpa no presidente russo Vladimir Putin pelos altos preços do gás — referindo-se a ele como “aumento de preços de Putin”. Biden disse na sexta-feira que a guerra de Putin estava causando aumentos globais nos preços dos alimentos também.

Mas mesmo alguns na administração Biden reconhecem que a mensagem não está ressoando tanto quanto gostariam.

Jim Kessler argumentou que a Casa Branca precisa “restringirsuas mensagens ao falar com o público sobre o progresso que Biden fez em seus primeiros 12 meses no cargo. “É ‘vencemos o COVID, estamos vencendo a Rússia e vamos vencer a inflação'”, disse ele.

O estrategista democrata, falando em segundo plano, foi mais crítico, dizendo que a Casa Branca de Biden demonstrou uma relutância em mudar de rumo.

“Não é como Bill Clinton em 1994 que faz um 180”, disse o estrategista.

Outros democratas disseram que não culpam Biden.

“O presidente Biden tem um trabalho quase impossível. A maioria dos presidentes sim“, disse a estrategista democrata Christy Setzer. “Embora os problemas de Trump tenham sido em grande parte auto-infligidos, os de Biden não são. Ele herdou uma bagunça de uma economia, uma crise de saúde pública e um Putin encorajado.”

Ainda assim, disse Setzer, Biden poderia fazer mais para enfatizar o que a Casa Branca está fazendo.

“Eu entendo, eu entendo, eu entendo, ele não quer perturbar seus potenciais aliados republicanos em um Senado 50-50”, disse Setzer. “Mas quando você está criando uma narrativa sobre por que as coisas são do jeito que são, seu público precisa entender como chegamos aqui.”

“Não basta resolver os problemas”, acrescentou Setzer. “Ele também precisa bater repetidamente em casa que foi ele quem nos tirou da vala, não aquele que nos levou até ele.”

Espera-se que Biden faça observações na segunda-feira sobre o plano de ação de caminhões do governo, que é parte de um esforço para desentupir os atrasos da cadeia de suprimentos que contribuíram para a inflação.

A Casa Branca também sinalizou que adotará uma mensagem centrista antes das eleições intermediárias com a liberação do orçamento de Biden no início desta semana, enfatizando os planos de redução do déficit e financiamento da segurança.

Economistas da Casa Branca dizem que a inflação provavelmente aliviará ao longo do próximo ano, mas não está claro até que ponto a guerra da Rússia na Ucrânia afetará esse cronograma. As autoridades têm alertado os americanos a se prepararem não apenas para preços mais altos de gás, mas também para os custos mais altos de alimentos devido ao conflito em curso.

Observadores políticos dizem que a popularidade de Biden será amortecida por todo o tumulto. E pode cair ainda se seu filho Hunter Biden for indiciado por seus negócios no exterior, como alguns esperam.

“Em termos de Biden, acho que isso só pode ser chamado de tempos políticos difíceis”, disse Julian Zelizer, professor de história e assuntos públicos na Universidade de Princeton. “Pelo menos indo para o meio do tempo, essas percepções ruins de sua liderança e as pressões inflacionárias vão pesar ele e os democratas para baixo.”

“Embora ele receba crédito de muitos pela forma como está lidando com a Rússia, a instabilidade no mundo simplesmente aumenta as percepções conturbadas sobre o estado da união”, disse Zelizer.

Muitos no partido estão esperançosos de que Biden verá seus números subirem novamente à medida que a inflação diminua. Mas o estrategista democrata argumentou que é tarde demais para o partido mudar as coisas. “Todos precisam aceitar a realidade de que seremos massacrados em novembro”, disse o estrategista. “Isso é um fato. A aprovação dele piorou, não melhorou. É um indicativo do fato de que as pessoas perderam a confiança em sua liderança. Não há nada que eles vão ser capazes de fazer”.

Deixe um comentário

Leia também

Olivia Newton-John morre aos 73 anos

Da Redação – Olivia Newton-John morreu aos 73 anos, nesta segunda-feira (8). A morte…