Home Biden As tendências do aborto nos EUA mudaram desde a decisão de 1973
Biden - EUA - Local - Mundo - Novo Normal - Política - Saúde - 05/03/2022

As tendências do aborto nos EUA mudaram desde a decisão de 1973

JSNEWS – A Suprema Corte dos Estados Unidos confirmou que o projeto de parecer que derrubaria a permissão ao aborto no país, redigido em fevereiro, é real, mas sublinhou que não era definitivo. O rascunho da minuta que foi vazado para imprensa foi publicado na última segunda-feira, 2, pelo site Politico.

O direito constitucional ao aborto estabelecido foi pela corte em 1973 e caso seja negado e caberá aos Estados decidir se deve ser legal ou não, resultando em uma colcha de retalhos de diferentes leis em todo o país, a menos que o Congresso interfira e estabeleça uma única política nacional novamente.

Tal decisão do tribunal culminaria uma campanha de décadas dos conservadores, que argumentam que a vida começa na concepção. Isso representaria uma derrota devastadora para os liberais que buscavam proteger o direito das mulheres de escolher pelo o procedimento contra anos de esforços para derrubar a decisão.

Mas desde 1973 até os dias atuais, os dados sobre o aborto nos Estados Unidos mudaram com o passar do tempo e um estudo abrangente foi realizado pelo Guttmacher Institute, um grupo de pesquisa que apoia os direitos ao aborto. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças também compilam dados, mas nem todos os estados, incluindo a Califórnia, enviam relatórios.

Eis o que se sabe:

  • Cerca de 630.000 abortos foram relatados ao CDC em 2019, embora faltam informações de alguns estados.
  • Os números do aborto vêm caindo desde um pico de 1,6 milhão em 1990 e a tendência coincide com a queda nas taxas de gravidez.
  • A taxa de 2019 foi de 11,4 abortos por 1.000 mulheres de 15 a 44 anos, em comparação com 16,3 por 1.000 em 1973.
  • Quase todos os abortos, cerca de 94%,  foram realizados antes ou antes das 13 semanas de gravidez.
  • Mulheres na faixa dos 20 anos compõem a maior parte dos pacientes com aborto, ou cerca de 57% em 2019, mostram dados do CDC.
  • Em 1973, houve mais de 160 gestações interrompidas por 1.000 mulheres na faixa dos 20 anos, em comparação com cerca de 110 por 1.000 em 2017, de acordo com o Instituto Guttmacher.
  • Mais da metade dos abortos nos EUA, 54%, são feitos com pílulas em vez de procedimentos médicos. Essa taxa vem aumentando desde 2000, quando a mifepristone, a principal droga usada, foi aprovada pela Food and Drug Administration. A taxa preliminar, a partir de 2020, será atualizada ainda este ano, mas espera-se que permaneça acima de 50%, de acordo com Guttmacher.
  • Quase 75% de todos os abortos em 2019 foram em mulheres negras, quase 24 abortos por 1.000 mulheres; as mulheres brancas tiveram, quase 7 por 1.000 mulheres.
  • A maioria das mulheres que fazem abortos, cerca de 60%, tem pelo menos um filho, de acordo com dados do CDC de 2019.

Deixe um comentário

Leia também

Justiça portuguesa autoriza extradição da doleira Nelma Kodama, presa em Portugal por tráfico de drogas

Da redação com G1 – O Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) autorizou a extradição par…