COM EXTRA – A defesa de Adélio Bispo de Oliveira, liderada pelo advogado mineiro Zanone Manuel de Oliveira Júnior, informou logo após a audiência de custódia que o seu cliente agiu provocado por um discurso de ódio do candidato Jair Bolsonaro. Adélio esfaqueou o candidato à Presidência pelo PSL durante ato de campanha em Minas Gerais. Bolsonaro foi atendido no local e posteriormente transferido para um hospital em São Paulo.

“O discurso de ódio do candidato que na verdade é vítima causou a atitude extremada do nosso cliente”, disse Zanone.

O advogado informou que a declaração de Jair Bolsonaro sobre uma comunidade quilombola, feita no Clube Hebraica do Rio de Janeiro, em abril de 2017, teria afetado a “psique” de Adélio. A fala, de que os moradores do local não serviriam “nem para procriador”, chegou a ser julgada no STF. “Aquela declaração do candidato de que negro não servia nem para procriar atingiu a psique de nosso cliente. Vamos requerer que um incidente de insanidade mental seja instaurado”.

Os advogados também disseram ter concordado com a transferência de Adélio para um presídio federal para assegurar a segurança do autor do ataque.

A defesa também rechaçou a hipótese de que Adélio teria agido em conluio com outras pessoas.

“Ele não nega a autoria do fato e também não traz nenhum partícipe para o cenário. Não procede o envolvimento de um terceiro como algumas pessoas vêm alegando. A verdade é que ele agiu de maneira escoteira, de forma solitária. Ele sustenta que agiu sozinho por razão política”, disse

A defesa também informou que acredita que o discurso de ódio que teria motivado Adélio, motivação política e a confissão são atenuantes no processo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia também

Não deu pra quem quis: maconha acaba em lojas do Canadá poucas horas após legalização

FOLHAPRESS – A CBC News relata que uma loja na província de Terra Nova e Labrador, p…