IMIGRAÇÃO

Voltar

França prende dois por morte de sobrevivente do Holocausto

- 28 de Março por Deutsche Welle

DW - Polícia prende dois suspeitos, indiciados pelo assassinato de uma judia de 85 anos em Paris. O crime, tratado como de motivação antissemita, tem repercussão internacional.Dois homens, de 20 e 21 anos, respectivamente, foram detidos e indiciados pelo assassinato em Paris de Mireille Knoll, uma judia francesa de 85 anos, segundo informações da Justiça divulgadas nesta terça-feira (27/03). O crime, tratado como de motivação antissemita, teve repercussão internacional.

O presidente da França, Emmanuel Macron, e o ministro do Interior Gérard Collomb condenaram o assassinato. No Twitter, Macron o classificou como "terrível" e reiterou sua determinação em combater o antissemitismo. A Comissão Europeia também repercutiu o caso: "Vamos banir o antissemitismo da Europa. De uma vez por todas", tuitou o vice-presidente da Comissão, Frans Timmermans.

Knoll, que escapou de perseguições nazistas contra judeus em Paris durante a Segunda Guerra Mundial, foi encontrada morta na sexta-feira, por bombeiros chamados para apagar o incêndio, em seu apartamento no 11º arrondissement, no leste da capital francesa.

Uma autópsia mostrou que ela fora esfaqueada várias vezes antes do fogo. A morte da octogenária, descrita pelos vizinhos como uma pessoa reservada, chocou a comunidade judaica. Na segunda-feira, os investigadores declararam acreditar que o assassinato de Mireille Knoll estivesse relacionado à religião dela.

Comunidade judaica exige transparência

O filho de Knoll, que não quis ser identificado, declarou à agência de notícias AFP que um dos suspeitos é um vizinho de 20 anos que conhecia bem a vítima e a visitara no dia da morte. Segundo fonte policial, ele tinha condenações por estupro e agressão sexual. O segundo suspeito, de 21 anos, tem antecedentes de assalto violento. Ele estava no prédio no dia da morte de Knoll, e seu nome foi mencionado à polícia pelo primeiro suspeito.

Em 1942, aos dez anos de idade, Knoll conseguira escapar da operação em que policiais franceses prenderam mais de 13 mil judeus por ordem da ocupação alemã, fugindo com a mãe de Paris para Portugal. Após a guerra, retornou à capital francesa e se casou com outro sobrevivente do Holocausto, morto no início dos anos 2000.

O Conselho Representativo de Instituições Judias da França (Crif) exigiu na segunda-feira "a mais completa transparência" das autoridades que investigam o assassinato de Knoll, "para que o motivo desse crime bárbaro seja conhecido o mais rápido possível".

Em abril de 2017, também em Paris, a judia ortodoxa Sarah Halimi, de cerca de 60 anos, foi jogada pela janela de seu apartamento por um vizinho, aos gritos de "Allahu akhbar" (Deus é grande). Em fevereiro último um juiz confirmou que o assassinato foi motivado por antissemitismo. Grupos judaicos reagiram com revolta à demora dos investigadores em admitir a motivação.

mais populares
edição online
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
- 18 de Julho - ESPORTES

Após invasão na Copa, membros do Pussy Riot pegam 15 dias de prisão

Além dos 15 anos de prisão, os manifestantes também estão proibidos de frequentar eventos esportivos na Rússia por três anos. A Justiça russa decidiu...


- 16 de Julho - IMIGRAÇÃO

Homem que sugeriu que militantes islâmicos deveriam matar o príncipe britânico George é condenado à prisão perpétua

Um britânico que sugeriu que militantes islâmicos deveriam atacar o príncipe George, que tem quatro anos e está destinado a ser rei, foi condenado à...


- 17 de Julho - ESPORTES

Festa francesa após vitória na Copa acaba em tumulto e violência em Paris

Centenas de milhares de pessoas foram às ruas, se concentrando na famosa avenida Champs-Élysées, para comemorar a vitória da seleção da França....


Guia Comercial

Os melhores negócios e empresas você só encontra aqui.

SAIBA MAIS
Anuncie grátis aqui !