BRASIL

Voltar

Brasil condena 'empenho autoritário' da Venezuela em 'eliminar' oposição

- 08 de Fevereiro por FOLHAPRESS

FOLHAPRESS - O governo brasileiro repudiou nesta terça-feira (6) a exclusão de vários partidos opositores venezuelanos de participar das eleições presidenciais antecipadas, nas quais Nicolás Maduro pretende se reeleger, afirmando que evidencia o "absoluto desprezo" das autoridades desse país pelo "pluralismo político".

O governo de Michel Temer "repudia o sistemático e inaceitável empenho do regime autoritário venezuelano em eliminar da atividade política partidos, frentes e personalidades da oposição", manifestou o ministério das Relações Exteriores em comunicado.

A nota faz referência à "inabilitação" ordenada na sexta-feira passada por parte do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) do partido opositor Primeiro Justiça visando as presidenciais, dias depois de o Tribunal Supremo excluir da disputa a aliança opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD), provocando fortes críticas internacionais.

Essas decisões foram tomadas depois que a Assembleia Constituinte da Venezuela (governista) - que rege com poderes absolutos - ordenou a reinscrição de vários partidos da oposição que se afastaram das votações de prefeitos, em dezembro, argumentando uma fraude na eleição de governadores, em outubro.

A Chancelaria brasileira também mencionou a "cassação dos direitos" de líderes opositores como o ex-candidato presidencial Henrique Capriles, inabilitado pela Controladoria, e Leopoldo López, em prisão domiciliar e condenado a quase 14 anos de prisão por incitar a violência nos protestos de 2014, como "uma evidência a mais" dessa vontade das autoridades de Caracas de "eliminarem" seus adversários.

"O governo brasileiro reitera sua convicção de que a reconciliação do povo venezuelano haverá de resultar do diálogo de boa fé com ampla participação das forças da oposição e da sociedade civil, em busca de uma saída pacífica para a crise que tanto aflige esse povo irmão", disse o comunicado de Brasília.

Há duas semanas, a Assembleia Constituinte da Venezuela adiantou as eleições - que tradicionalmente são realizadas em dezembro - para antes de 30 de abril. Segundo analistas, sua intenção é aproveitar a crise de credibilidade e fissuras na MUD.

Está previsto que o governo da Venezuela e a oposição retomem nesta terça-feira em Santo Domingo um diálogo no qual negociarão a data e as garantias para as eleições presidenciais.

O governo de Temer se distanciou de Maduro, no poder desde 2013 e herdeiro político do falecido Hugo Chávez, com quem as anteriores administrações mantiveram fortes laços econômicos e políticos, acentuados especialmente com Lula (2003-2010) e Dilma Rousseff (2011-2016).

mais populares
edição online
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
- 23 de Fevereiro - IMIGRAÇÃO

Trump sugere tirar agentes de imigração da Califórnia

A Patrulha Fronteiriça se dedica a evitar as entradas de cidadãos de forma ilegal, fundamentalmente através da fronteira com o México, enquanto o ICE...


- 21 de Fevereiro - ESPORTES

Em 17º lugar, Isadora Williams obtém vaga inédita na final da patinação artística

Isadora Williams está na final da patinação artística dos Jogos Olímpicos de Pyeongchang, na Coreia do Sul. A brasileira foi a segunda atleta a se...


- 19 de Fevereiro - ESPORTES

Gandula denuncia jogador e massagista por agressão durante partida

A vítima foi espancada no estádio Morenão, em Campo Grande, ao comemorar de forma provocativa o gol da equipe adversária. O clássico, válido pela...


Guia Comercial

Os melhores negócios e empresas você só encontra aqui.

SAIBA MAIS
Anuncie grátis aqui !