BRASIL

Voltar

Seita religiosa que atua em Minas é alvo de operação da Polícia Federal

- 07 de Fevereiro por ESTADO

ESTADO - Os líderes da seita “Comunidade Evangélica Jesus, a Verdade que Marca” voltaram a ser alvos da Polícia Federal (PF) por supostamente escravizar fiéis em Minas Gerais, São Paulo e Bahia. Além desse crime, a corporação investiga o grupo por tráfico de pessoas, estelionato, organização criminosa, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. Em 2013 e 2015, a seita já esteve na mira dos agentes federais pelos mesmos delitos.

Desta vez, 220 policiais federais e 55 auditores fiscais do Ministério do Trabalho cumprem 22 mandados de prisão preventiva, 17 de interdição de estabelecimento comercial e outros 42 de busca e apreensão. Todas as ordens judiciais foram expedidas pela Justiça Federal em Belo Horizonte. A operação foi deflagrada em Varginha, no Sul de Minas.

De acordo com o Ministério do Trabalho, pessoas que estavam em condição análoga à de escravo foram resgatados em 15 municípios de Minas Gerais, São Paulo e Bahia. Em uma avaliação preliminar da Polícia Federal, haveria cerca de 900 pessoas trabalhando de forma irregular. Como a ação ainda está em andamento, o número deve sofrer alteração.

Aliciamento

De acordo com a investigação da PF, os dirigentes da seita teriam aliciados fiéis em igrejas localizadas na capital paulista. No templo, os crentes foram convencidos a doarem e passarem todos os bens para membros da organização. "Para tanto, teriam se utilizado de ardis e doutrina psicológica, sob o argumento de convivência em comunidades, onde todos os bens móveis e imóveis seriam compartilhados", explicou a corporação.

Depois, segundo apuração da polícia, os fiéis eram levados para as cidades de Contagem, Betim, Andrelândia, Minduri, Madre de Deus, São Vicente de Minas, Pouso Alegre e Poços de Caldas, em Minas; para Ibotirama, Luiz Eduardo Magalhães, Wanderley e Barra, na Bahia; e para a capital de São Paulo. Nesses municípios, os crentes seriam submetidos a extensas jornadas de trabalho - sem remuneração - em lavouras, oficinas mecânicas, postos de gasolina, entre outros estabelecimentos.

"Por meio da apropriação do patrimônio dos fiéis e do desempenho de atividades comerciais sem o pagamento da mão-de-obra, a seita teria acumulado vultoso patrimônio, contando com casas, fazendas e veículos de luxo. Atualmente, estaria expandindo seus empreendimentos para o estado do Tocantins, baseados na exploração ilegal", garantiu a PF.

Se condenados por todos os crimes, os líderes poderão cumprir até 42 anos de prisão.

Canaã

A operação deflagrada nesta terça-feira (6) foi denominada “Canaã – A Colheita Final”. Ela é um desdobramento das operações "Canaã" (2013) e “De volta para Canaã” (2015). Na ocasião, cinco líderes foram presos, mas liberados dias depois. Na época, o advogado Leonardo Carvalho de Campos, representante dos indiciados, afirmou que a PF não possui provas concretas. “Estamos muito tranquilos porque não existem provas de trabalho escravo e lavagem de dinheiro", garantiu.

A reportagem do Hoje em Dia ligou para o defensor da seita, porém, o advogado relatou está de licença médica e, por isso, não não está acompanhando a operação deflagrada nesta terça.

Segundo o Ministério do Trabalho, os auditores-fiscais seguem ouvindo todos os trabalhadores encontrados durante a operação para saber detalhes do que ocorria com cada um deles nas áreas onde foram encontradas as irregularidades. Nos casos onde for confirmado o trabalho escravo, serão feitos os cálculos dos direitos trabalhistas, que deverão ser pagos pelas empresas criadas pela seita retroativamente desde a data em que os trabalhadores começaram a prestar os serviços. Os trabalhadores também serão encaminhados ao Programa de Seguro-Desemprego para Resgatados.

 

 

 

mais populares
edição online
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
- 23 de Fevereiro - IMIGRAÇÃO

Trump sugere tirar agentes de imigração da Califórnia

A Patrulha Fronteiriça se dedica a evitar as entradas de cidadãos de forma ilegal, fundamentalmente através da fronteira com o México, enquanto o ICE...


- 21 de Fevereiro - ESPORTES

Em 17º lugar, Isadora Williams obtém vaga inédita na final da patinação artística

Isadora Williams está na final da patinação artística dos Jogos Olímpicos de Pyeongchang, na Coreia do Sul. A brasileira foi a segunda atleta a se...


- 19 de Fevereiro - ESPORTES

Gandula denuncia jogador e massagista por agressão durante partida

A vítima foi espancada no estádio Morenão, em Campo Grande, ao comemorar de forma provocativa o gol da equipe adversária. O clássico, válido pela...


Guia Comercial

Os melhores negócios e empresas você só encontra aqui.

SAIBA MAIS
Anuncie grátis aqui !