IMIGRAÇÃO

Voltar

Polícia prende ativista que oferecia água a imigrantes na fronteira

- 25 de Janeiro por AP

AP - Em tempos de fortalecimento para a retórica anti-imigração nos EUA, os voluntários que se dedicam a ajudar os imigrantes chegando ilegalmente pelo México entram no radar das autoridades. A ONG No More Deaths ("Sem mais mortes", na tradução ao português) denuncia que um dos seus trabalhadores humanitários foi preso na semana passada por ter oferecido água e alimentos a indocumentados recém-chegados ao Arizona. O americano Scott Daniel Warren, de 35 anos, foi solto no dia seguinte, segundo registros judiciais, mas ainda é alvo de acusações federais. Seus colegas ativistas acreditam que a detenção possa ser consequência da divulgação, pelo mesmo grupo, de imagens exibindo comportamentos agressivos de agentes de segurança.

A detenção de Warren aconteceu quando a polícia fez uma operação de busca num prédio onde dois imigrantes vinham recebendo comida, água, cama e roupas limpas. Lá estava também o ativista, que pelos três dias anteriores vinha lhes prestando auxílio. Segundo a imprensa local, os auxiliados foram identificados como Kristian Perez-Villanueva e Jose Arnaldo Sacaria-Goday. Os dois teriam buscado na internet as melhores maneiras de cruzar a fronteira ilegalmente. Na pesquisa, descobriram o lugar onde podiam receber comida e água.

As atividades dos voluntários consistem em ajudar os imigrantes que percorreram longas e perigosas jornadas. Uma das suas principais práticas é deixar galões de água para quem está atravessando os trechos mais difíceis da fronteira. O trabalho — que, de acordo com os ativistas, não inclui apoio de logística ou planejamento para quem deseja se arriscar na travessia — vai contra a forte retórica anti-imigração defendida desde a campanha pelo presidente Donald Trump, que promete construir um muro para frear a chegada de ilegais e drogas ilegais do país vizinho.

ONG SUSPEITA DE REPRESÁLIA

Algumas horas antes, o No More Deaths havia publicado vídeos em que agentes de patrulha da fronteira chutam garrafas de água que haviam sido deixadas para os imigrantes no deserto, ou simplesmente as despejam no chão. O grupo não quis explicitamente acusar as forças de segurança de represália, mas considerou suspeito que o ativista tenha sido preso logo após a divulgação das imagens à imprensa.

— Vemos tudo isso como uma escalada de criminalização dos trabalhadores humanitários — disse Caitlin Deighan, ativista do mesmo grupo.

Em nota ao "The Washington Post", autoridades negaram que a detenção tenha sido uma retaliação: "Estamos protegendo as leis de imigração na área, e houve uma situação em que precisamos realizar uma detenção porque havia indivíduos ilegais", disse, por comunicado, Carlos Diaz, porta-voz para a agência dos EUA de proteção às fronteiras.

O No More Deaths acredita que tenha se tornado um dos principais grupos na mira da repressão à imigração pelo governo Trump. Segundo o "Intercept", oito membros do grupo já foram alvo de acusações federais e de delitos menores nos últimos meses, incluindo Warren, embora nem todos estejam presos. Além disso, a organização denuncia há meses que é alvo de assédio e intimidação pelos agentes que atuam na fronteira. O advogado do grupo, William Walker, que representa Warren no caso, argumenta que as ações do ativista não são criminosas:

— Este é um trabalhador de ajuda humanitária tentando salvar vidas — disse. — Os ativistas fazem a mesma coisa que vêm fazendo há anos, e nunca foram indiciados por isso. Nós não mudamos a nossa agenda, mas o governo sim.

O impasse vem num momento especialmente delicado para o debate sobre a imigração nos EUA. No fim de semana, o governo sofreu um shutdown, como é chamada a paralisação dos serviços temporariamente, por falta de consenso no Congresso para aprovar o Orçamento deste ano. Um dos temas mais espinhosos são as políticas a serem adotadas para os imigrantes. Por enquanto, o impasse foi resolvido provisoriamente até fevereiro, quando os congressistas deverão chegar a um acordo final sobre o assunto. No entanto, não está definida qual será a conduta de longo prazo do governo, enquanto em Washington continuam as fervorosas negociações.

mais populares
edição online
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
- 21 de Maio - ESPORTES

Chegou o camisa 10 - Neymar se apresenta à Seleção na Granja Comary

Neymar já está com a seleção brasileira em Teresópolis. O craque do PSG foi o primeiro a descer de um dos helicópteros que pousaram na Granja Comary...


- 21 de Maio - INTERNACIONAL

Maduro vence eleição na Venezuela e consolida socialismo

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, foi reeleito para mais 6 anos de mandato após as eleições deste domingo (20), que tiveram horário...


- 20 de Maio - BRASIL

Fachin anula decisão do TCU e garante pensão as filhas solteiras de servidores

Fachin entendeu que somente autoriza cortar a pensão quando a beneficiária se casa ou passa a ser servidora pública. A estimativa era de economia de...


Guia Comercial

Os melhores negócios e empresas você só encontra aqui.

SAIBA MAIS
Anuncie grátis aqui !