EUA

Voltar

Paralisação do governo dos EUA acaba após acordo sobre gastos e imigração no Congresso

- 23 de Janeiro por REUTERS

REUTERS - Depois de três dias de "blecaute", um acordo entre democratas e republicanos pavimentou o caminho para a retomada das atividades do governo americano. 

A administração do presidente Donald Trump estava paralisada desde sábado (20), por não ter aprovado a lei orçamentária anual e, assim, não conseguir efetuar despesas. Em inglês, a situação é chamada de "shutdown". Servidores federais foram dispensados, e órgãos públicos suspenderam atendimento. 

Em uma solução temporária, senadores aprovaram nesta segunda-feira (22) uma lei que autoriza o governo a fazer novas despesas até o dia 8 de fevereiro. 

Até lá, os congressistas irão negociar uma solução para jovens imigrantes, os "dreamers", que chegaram ao país quando crianças e estão com status legal nos EUA prestes a expirar. Esse é o principal impasse entre democratas e republicanos, que travou a aprovação do orçamento. 

Os jovens imigrantes eram protegidos por um programa do governo de Barack Obama, o Daca, que foi revogado por Trump em setembro. Os democratas exigem que uma solução seja negociada pelo governo, que tem endurecido a política imigratória. 

Em seguida, o texto passou por votação na Câmara na noite desta segunda -onde os republicanos têm maioria, e a vitória foi fácil -266 votos a 150. No Senado, onde as negociações eram mais acirradas, o acordo foi aprovado por 81 votos a 18. 

Com a proposta aprovada pelo Congresso, o governo volta a operar normalmente, pelo menos até 8 de fevereiro. A paralisação não chegou a afetar os serviços de emissão de visto a estrangeiros.

Imigração 

O impasse demonstrou como o tema da imigração se tornou central no governo Trump. O republicano elegeu a guerra à entrada ilegal no país como uma prioridade, sob o argumento de proteger empregos e a segurança nacional. Ele defende que o sistema de imigração dos EUA seja meritocrático e permita apenas a permanência de trabalhadores qualificados. 

Com isso, Trump anulou vistos temporários para salvadorenhos e haitianos, por exemplo, concedidos por questões humanitárias, e suspendeu o status legal dos "dreamers", argumentando que o programa tinha vícios legais por não ter sido aprovado pelo Congresso. 

Democratas adotaram os "sonhadores", que foram beneficiados pelo governo Obama, como uma bandeira partidária. Assim, acabaram travando a aprovação do orçamento enquanto não houvesse acordo sobre o tema. 

A maior parte desses 800 mil imigrantes foi levada aos EUA pelos pais e viveu mais tempo em solo americano do que em sua terra natal. 

Seu status legal se encerra em março de 2018. A partir de então, eles se tornam ilegais e estarão sujeitos à deportação -o que a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, deixou claro que poderia acontecer caso o Congresso não chegasse a um acordo. 

"O presidente cumpre a lei. É papel do Congresso criar e aprovar as leis", afirmou. 

Em nota, Trump informou que só firmará o acordo em relação aos imigrantes "se, e apenas se, for bom para o nosso país". Sua prioridade na lei orçamentária, segundo a Casa Branca, é garantir a segurança do país e o financiamento das forças militares. 

O presidente ainda acusou os democratas de "brincar de política da paralisação" e disse que eles preteriam os serviços e a segurança de cidadãos americanos em favor de imigrantes estrangeiros. 

Mesmo com o tensionamento político, Trump deve voltar à mesa de negociações. Nos últimos dias, ele foi duramente criticado por ter afirmado, durante uma negociação, que imigrantes da África e do Haiti vinham de "países de merda". Ele depois negou ter usado a expressão. 

Antes, afirmara publicamente que queria uma "lei de amor" para resolver a situação dos "dreamers".

mais populares
edição online
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
- 23 de Fevereiro - IMIGRAÇÃO

Trump sugere tirar agentes de imigração da Califórnia

A Patrulha Fronteiriça se dedica a evitar as entradas de cidadãos de forma ilegal, fundamentalmente através da fronteira com o México, enquanto o ICE...


- 21 de Fevereiro - ESPORTES

Em 17º lugar, Isadora Williams obtém vaga inédita na final da patinação artística

Isadora Williams está na final da patinação artística dos Jogos Olímpicos de Pyeongchang, na Coreia do Sul. A brasileira foi a segunda atleta a se...


- 19 de Fevereiro - ESPORTES

Gandula denuncia jogador e massagista por agressão durante partida

A vítima foi espancada no estádio Morenão, em Campo Grande, ao comemorar de forma provocativa o gol da equipe adversária. O clássico, válido pela...


Guia Comercial

Os melhores negócios e empresas você só encontra aqui.

SAIBA MAIS
Anuncie grátis aqui !