INTERNACIONAL

Voltar

Equador confirma que concedeu naturalização a Julian Assange

- 11 de Janeiro por EBC

A chanceler do Equador, María Fernanda Espinosa, confirmou nesta quinta-feira (11) que seu país concedeu a naturalização equatoriana ao fundador do WiKiLeaks, o australiano Julian Assange, em 12 de dezembro do ano passado.

"O que a naturalização faz é dar mais proteção ao asilado e não altera, de modo algum, mas fortalece, sua condição de pessoa internacionalmente protegida", indicou a chefe da diplomacia equatoriana.

María Fernanda acrescentou que qualquer movimento do asilado fora da Embaixada é um tema que "deve ser acordado previamente com o Reino Unido", algo que estavam analisando, disse.

"A ordem que temos e a obrigação internacional e nacional é cuidar e proteger a integridade de Julian Assange e seus direitos. Enquanto essas condições não forem dadas, nós dificilmente poderemos pensar em uma saída do asilado dos escritórios da Embaixada do Equador em Londres", disse ela.

A chanceler indicou que o problema de Assange "não é a questão de enfrentar a Justiça britânica. São temores fundados que temos sobre possíveis riscos à vida e à integridade do cidadão Assange, não necessariamente do Reino Unido, mas por parte, possivelmente, de outros Estados", disse.

O vice-ministro de Migração, José Luis Jácome, comentou que Assange tem agora "os mesmos direitos que os equatorianos no exterior e que os estrangeiros no país".

Para María Fernanda, a decisão de conceder a naturalização a Assange foi fundamentada em artigos da Constituição, da Lei orgânica de migração, em apartes da Convenção de Genebra de 1951 sobre o Estatuto de Refugiados e no Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos.

Histórico

O jornalista, refugiado na embaixada do Equador em Londres desde 19 de junho de 2012, e a quem o Equador concedeu asilo em agosto do mesmo ano, era requerido desde 2010 pelas autoridades suecas por acusações acusações, que ele nega, de duas mulheres de abuso sexual, mas a Suécia arquivou o processo em maio do ano passado por não poder avançar na investigação.

No entanto, Assange acredita que se abandonar a embaixada pode ser detido pelas autoridades britânicas e deportado aos Estados Unidos, onde teme ser julgado pela divulgação feita pelo WikiLeaks de informações confidenciais do governo americano.

Espinosa disse que espera que Chancelaria possa lidar com o caso "tão delicado" de Assange "com a maior prudência e discrição".

A diplomata equatoriana indicou que estão à espera de uma resposta da Corte Interamericana de Direitos Humanos, à qual pediram uma "opinião consultiva" sobre a figura do asilo.

mais populares
edição online
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
- 19 de Julho - ESPORTES

Francesas relatam agressões sexuais durante comemorações da Copa

Com a vitória da seleção francesa na Copa do Mundo, no último domingo (15), os torcedores saíram em massa às ruas de toda a França para celebrar a...


- 18 de Julho - ESPORTES

Após invasão na Copa, membros do Pussy Riot pegam 15 dias de prisão

Além dos 15 anos de prisão, os manifestantes também estão proibidos de frequentar eventos esportivos na Rússia por três anos. A Justiça russa decidiu...


- 16 de Julho - IMIGRAÇÃO

Homem que sugeriu que militantes islâmicos deveriam matar o príncipe britânico George é condenado à prisão perpétua

Um britânico que sugeriu que militantes islâmicos deveriam atacar o príncipe George, que tem quatro anos e está destinado a ser rei, foi condenado à...


Guia Comercial

Os melhores negócios e empresas você só encontra aqui.

SAIBA MAIS
Anuncie grátis aqui !