INTERNACIONAL

Voltar

'Antissemitismo não tem lugar na Alemanha', diz ministro após queima de bandeiras israelenses

- 11 de Dezembro por REUTERS

REUTERS - O ministro da Justiça alemão, Heiko Maas, disse que não há lugar para antissemitismo na Alemanha depois que manifestantes, irritados pela decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como capital de Israel, queimaram bandeiras israelenses em Berlim.

No domingo, cerca de 2.500 pessoas protestaram em Berlim contra a decisão de Trump e uma bandeira israelense foi queimada, disse a polícia, acrescentado que foram iniciadas investigações contra 11 pessoas, uma delas relacionada à bandeira.

Na sexta-feira, centenas de pessoas se reuniram do lado de fora da embaixada norte-americana na capital alemã para protestos do “dia de raiva”. Depois, a polícia disse no Twitter que havia detido 10 pessoas durante os protestos e que haviam sido apresentadas 12 acusações criminais --incluindo por queimar bandeiras de Israel.

Maas disse na edição desta segunda-feira do jornal alemão Bild: “Qualquer tipo de antissemitismo é um ataque contra todos. O antissemitismo nunca deve ser autorizado a ter um lugar (na sociedade) novamente”.

O antissemitismo permanece uma questão muito sensível na Alemanha mais de 70 anos depois do fim do Holocausto, no qual 6 milhões de judeus foram mortos pelo regime nazista. A Alemanha se considera como uma das aliadas mais próximas de Israel.

mais populares
edição online
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
- 19 de Julho - ESPORTES

Francesas relatam agressões sexuais durante comemorações da Copa

Com a vitória da seleção francesa na Copa do Mundo, no último domingo (15), os torcedores saíram em massa às ruas de toda a França para celebrar a...


- 18 de Julho - ESPORTES

Após invasão na Copa, membros do Pussy Riot pegam 15 dias de prisão

Além dos 15 anos de prisão, os manifestantes também estão proibidos de frequentar eventos esportivos na Rússia por três anos. A Justiça russa decidiu...


- 16 de Julho - IMIGRAÇÃO

Homem que sugeriu que militantes islâmicos deveriam matar o príncipe britânico George é condenado à prisão perpétua

Um britânico que sugeriu que militantes islâmicos deveriam atacar o príncipe George, que tem quatro anos e está destinado a ser rei, foi condenado à...


Guia Comercial

Os melhores negócios e empresas você só encontra aqui.

SAIBA MAIS
Anuncie grátis aqui !